Governo diz que, 'com melhor Natal dos últimos anos', economia deve crescer perto de 1% em 2019

Ministério da Economia afirma que dados do quarto trimestre sinalizam 'recuperação consistente' e destaca impacto da liberação de saques do FGTS

Eduardo Rodrigues e Mateus Vargas, O Estado de S.Paulo

03 de dezembro de 2019 | 11h21

BRASÍLIA -  O Ministério da Economia apontou nesta terça-feira, 3, que, com a alta de 0,6% do Produto Interno Bruto (PIB) no terceiro trimestre, o carregamento estatístico – o chamado "carryover", no jargão econômico – ficou em 0,98% para este ano. Isso significa que, se a economia mantiver o atual ritmo de expansão no quarto trimestre, esse será o crescimento do PIB em 2019.

O presidente Jair Bolsonaro foi na mesma linha e disse que o crescimento registrado pela economia brasileira no terceiro trimestre "veio em boa hora" e que a previsão do governo é de que o País vai manter o ritmo de crescimento no quarto trimestre.

"Pode ser inesperado para os analistas econômicos, mas da nossa parte sabíamos que viria uma boa notícia. Ela veio em uma boa hora, e a minha equipe econômica, a nossa equipe econômica, diz que a previsão para o quarto trimestre é crescer. O Brasil está crescendo", disse Bolsonaro durante abertura de evento promovido pela Controladoria Geral da União (CGU) para discutir o combate à corrupção.

O Ministério da Economia informou que indicadores disponíveis do 4º. trimestre de 2019 sinalizam continuidade do movimento de "recuperação consistente" da economia brasileira. "A confiança continua em alta, com as melhores condições de emprego, de crédito e inflação sob controle. Espera-se boas vendas de Natal, superando os resultados dos últimos anos”, avaliou a Secretaria de Política Econômica (SPE) da pasta.

A secretaria destacou a liberação dos saques do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS), anunciada pelo governo no fim de julho. “A economia brasileira manteve a trajetória de recuperação da atividade, com aceleração da retomada do crescimento, ratificando o aumento da confiança dos setores de serviços e varejo e dos consumidores que se iniciou após julho, momento de anúncio do Novo FGTS. Destaca-se o crescimento robusto do investimento e a retomada do consumo das famílias, enquanto o gasto do governo retraiu novamente”, avaliou a SPE.

Segundo o documento, agosto foi o “fundo do poço” para o PIB, com a retomada do crescimento a partir de setembro, justamente com o início dos saques das contas do FGTS.

O documento cita ainda os resultados das vendas da Black Friday na última sexta-feira, 29, com alta de 6,4% em relação à data em 2018.  Para a SPE, as medidas estruturais de correção de má alocação de recursos e a posição firme do governo em cumprir as metas fiscais se refletem na melhoria da confiança de consumidores e empresários.

“Os efeitos dessas medidas se propagarão para 2020 e o PIB do setor privado continuará acelerando, confirmando um crescimento substancialmente superior ao observado nos últimos anos. O resultado divulgado hoje mostra o aquecimento da economia, que deverá ser reforçado no final deste ano. Desse modo, o Natal de 2019 deverá ser o melhor dos últimos anos”, completa a SPE.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.