Sarkozy e Merkel pedem rapidez na aprovação de ajuda à Grécia

Hoje, a Alemanha aprovou um projeto de lei para expandir e reformar o fundo de resgate da zona do euro

Ricardo Gozzi, da Agência Estado,

29 de setembro de 2011 | 13h27

O presidente Nicolas Sarkozy, da França, e a chanceler Angela Merkel, da Alemanha, conclamaram hoje os demais países da zona do euro a agirem com mais rapidez na aprovação de um segundo pacote de resgate para a Grécia e de alterações no mecanismo de socorro financeiro do bloco, uma vez que ambas as medidas são consideradas essenciais para que a região supere um prolongado período de turbulência.

Os comentários de Sarkozy e Merkel vieram à tona depois de a câmara baixa do Parlamento da Alemanha ter aprovado um projeto de lei para expandir e reformar a Linha de Estabilidade Financeira Europeia (EFSF) e a liberação de um segundo pacote de resgate financeiro à Grécia.

Sarkozy qualificou a votação alemã como um "passo importante" para assegurar a estabilidade da zona do euro.

Em 21 de julho, chefes de Estado dos países que integram a zona do euro chegaram a um acordo sobre um segundo pacote de socorro à Grécia e também sobre alterações na EFSF. Assim que o acordo for ratificado pelos Parlamentos dos países do bloco monetário, a EFSF será capaz de comprar bônus no mercado secundário, emprestar para países antes que seja preciso resgatá-los e recapitalizar bancos da região em dificuldade.

"O Presidente da República e a Chanceler reiteram que a resoluta implementação das decisões tomadas na cúpula de 21 de julho permitirão que as atuais dificuldades enfrentadas pela zona do euro sejam superadas", informou a assessoria de imprensa de Sarkozy por meio de nota depois de uma conversa entre ele e Merkel por telefone.

Os dois pediram aos demais países da zona do euro que sigam adiante na busca pela ratificação das reformas pelos Parlamentos nacionais o mais rápido possível.

A assessoria de imprensa de Sarkozy também confirmou que ele se reunirá com o primeiro-ministro da Grécia, George Papandreou, amanhã ao meio-dia (hora de Brasília) em Paris. As informações são da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.