Sars não prejudica instalação da Embraer na China

O presidente da Embraer, Maurício Botelho falou hoje sobre os investimentos da empresa na primeira fábrica de aviões fora do Brasil na China. Segundo ele, a Embraer está indo "cautelosamente e progressivamente". Ele afirmou no entanto que a pneumonia asiática não afetou o andamento da parceria na China, e nem na construção da fábrica. Segundo Botelho, estão mantidos os planos de produzir no final deste ano o primeiro avião da fábrica, e a partir de 2004, 12 aeronaves RJ-145 de 50 lugares por ano. Botelho disse que a pneumonia asiática está afetando a empresa indiretamente pela redução do tráfego aéreo internacional, especialmente naquela região. Ele comentou que a decisão da Camex, na semana passada, de liberar R$ 50 milhões como restos a pagar do ano passado de exportações da Embraer, resolve apenas parcialmente o problema causado pelo fato de em 2002 ter faltado recursos de cerca de R$ 500 milhões para operações de financiamento, já aprovadas, das exportações dos aviões. Os recursos, que deveriam ter entrado no orçamento deste ano do Proex, não foram incluídos nas verbas a liberar em 2003. Botelho participou do seminário Relações Brasil-China: Um Salto Necessário no BNDES.Veja o índice de notícias sobre a pneumonia atípica

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.