Sars pode elevar exportação de calçados brasileiros

A síndrome respiratória aguda grave (Sars), que afetou o principal produtor mundial de calçados, a China, além de outros pequenos fornecedores como Vietnã, Tailândia, Indonésia, pode beneficiar fabricantes brasileiros. Alguns empresários norte-americanos, os principais compradores de sapatos no mundo, que deveriam ter feito visitas àqueles países para a coleção primavera-verão de 2004, preferiram o Brasil a fim de se protegerem do contágio da doença. Empresas da região de Franca (interior de SP) e do Rio Grande do Sul, os dois principais pólos produtores brasileiros, podem ser as contempladas, afirmou Carlos Brigagão, diretor da Associação Brasileira da Indústria de Calçados (Abicalçados) e presidente da Sândalo, de sapatos masculinos. Ele explicou que a epidemia coincidiu com a época em que os profissionais deveriam ter viajado para realizar o desenvolvimento dos produtos e muitos acabaram vindo para o Brasil. As visitas devem gerar reflexos sobre os negócios das empresas em outubro ou novembro, quando a produção deve começar, caso os negócios sejam fechados. O termômetro será a feira de Las Vegas (EUA), no começo de agosto. No evento são apresentados os modelos desenvolvidos pelas indústrias e, se aprovados, as encomendas começam a ser feitas. Euro Além da Sars, a recente valorização do euro também favoreceu o Brasil, pois encareceu os produtos italianos, um dos mais procurados no mundo, fazendo com que os compradores se voltassem para os fornecedores brasileiros. Estes dois fatores podem até repercutir sobre os resultados anuais das exportações de calçados, avalia a Abicalçados. No ano passado, as vendas externas totalizaram US$ 1,4 bilhão. O cenário só não é mais positivo para os calçadistas por causa do dólar. Brigagão destaca que, para setores exportadores, a cotação ideal é entre R$ 3,20 e R$ 3,30. Hoje, muitas operações com o mercado externo são deficitárias. "Se você perde um cliente internacional é muito difícil reconquistá-lo, por isso agüenta-se o prejuízo", argumenta ele. Francal A 35ª Francal encerrada na última sexta-feira em São Paulo superou as expectativas dos organizadores, que estimaram a presença de mais de 100 países no evento. "Esta foi a mais internacional de todas as feiras já realizadas", garantiu Abdala Jamil Abdala, presidente da Francal Feiras. Foi a primeira feira brasileira de negócios transmitida em tempo real para todo o mundo pela Internet. Mais de 5 mil visitantes virtuais, entre jornalistas, compradores, estilistas e designers de moda, acompanharam o evento pela web.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.