finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Imagem Renato Cruz
Colunista
Renato Cruz
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Saúde móvel

O celular pode revolucionar o tratamento de doentes. Num momento em que o Brasil enfrenta a polêmica do programa Mais Médicos, que gerou tanto atrito entre entidades profissionais e governo, e em que as seguradoras privadas recusam contratos individuais, os definidores de políticas públicas praticamente não discutem como a tecnologia ajudaria a resolver problemas do setor.

RENATO CRUZ, O Estado de S.Paulo

27 de outubro de 2013 | 02h26

A principal aplicação da saúde móvel, também chamada de m-health, é o monitoramento de pacientes com doenças crônicas, como diabetes, hipertensão e bronquite. Um medidor de glicose pode ser ligado ao tablet ou celular, que envia um aviso ao médico caso a medição fique fora do esperado. Aparelhos como balanças e medidores de pressão e oxigênio também funcionam desse jeito, conectados.

Um aplicativo instalado no smartphone do paciente é capaz de lembrá-lo de tomar remédio, medir pressão ou praticar atividade física. Tecnologias simples, como mensagens de texto, podem ser usadas para disparar lembretes aos pacientes, avisando-os, por exemplo, da consulta ou do exame marcado.

Na semana passada, participei de um painel sobre saúde móvel na Futurecom, evento sobre telecomunicações que aconteceu no Rio. Valter Wolf, diretor da GSM Association, afirmou que a adoção de tecnologias móveis na saúde poderia ampliar o atendimento para mais de 28 milhões de pacientes no Brasil até 2017. Os beneficiados seriam principalmente os mais pobres e os portadores de doenças crônicas.

Com isso, seria possível economizar US$ 17,9 bilhões. Se não forem tomadas medidas para incentivar a saúde móvel, no entanto, os beneficiados seriam somente 3 milhões, e o retorno financeiro ficaria em US$ 1,5 bilhão.

A GSMA é uma associação que reúne operadoras de telecomunicações. Elas têm grande interesse em desenvolver esse mercado. A Telefônica, por exemplo, comprou em fevereiro a Axismed, empresa brasileira de monitoração e atendimento remoto de pacientes.

As operadoras precisam aumentar os investimentos para ampliar a capacidade de suas redes, e não têm conseguido contrapartida necessária em aumento de receita. Por isso, querem estender sua atuação a outros tipos de serviços. É o caso da saúde móvel.

Existem várias barreiras a serem vencidas para o seu crescimento no Brasil. Atualmente, médicos não podem prescrever medicamentos sem consulta presencial. Além disso, o sistema brasileiro incentiva tratamentos individuais e prescrição de remédios no lugar de cuidados preventivos contínuos. É preciso ainda definir padrões de interoperabilidade para as soluções nessa área.

Ironicamente, a própria deficiência dos serviços de telecomunicações pode ser uma barreira à saúde móvel, principalmente em comunidades remotas e de baixa renda.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.