Roosevelt Cassio|Reuters
Roosevelt Cassio|Reuters

Saudi Aramco admite que funcionário recebeu propina da Embraer

Empresa saudita disse que uma investigação interna concluiu que o funcionário recebeu propinas da Embraer para facilitar a compra de três jatos regionais E-170

Dow Jones Newswires

28 de outubro de 2016 | 10h46

LONDRES - A Saudi Aramco, petrolífera estatal da Arábia Saudita, confirmou hoje ter provas de um caso de corrupção envolvendo um de seus funcionários e a Embraer.

Em comunicado, a empresa saudita disse que uma investigação interna, ocorrida há alguns anos, concluiu que o funcionário recebeu propinas da Embraer para facilitar a compra de três jatos regionais E-170.

Segundo a Saudi Aramco, a descoberta a levou a aplicar "ações disciplinares máximas" contra o ex-funcionário.

A Embraer entregou os aviões a Saudi Aramco em 2010.

A admissão de corrupção pela Saudi Aramco é rara e veio após a Embraer ser multada em US$ 205,5 milhões por autoridades dos EUA e Brasil, por irregularidades semelhantes reveladas numa investigação que se estendeu por seis anos.

A Embraer supostamente teve lucro de US$ 83 milhões sobre contratos que envolveram o pagamento de US$ 11,7 milhões em propinas. Os acordos foram fechados com Arábia Saudita, Índia, Moçambique e República Dominicana, no período de 2007 a 2011.

Tudo o que sabemos sobre:
Arábia SauditaEmbraerBrasil

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.