Saudita esclarece rumores sobre alta da produção de petróleo

Ministro do Petróleo falará neste domingo sobre possibilidade de elevar em 500 mil barris a oferta da commodity

Associated Press,

14 de junho de 2008 | 17h13

O ministro do Petróleo da Arábia Saudita, Ali al-Naimi, vai esclarecer neste domingo, 15, os rumores de que o país estaria prestes a elevar sua produção diária de petróleo em cerca de 500 mil barris diários, um assessor do ministro disse neste sábado.   Veja também: Arábia Saudita planeja aumentar produção de petróleo em julho Preço do petróleo em alta   A medida elevaria a produção saudita para 10 milhões de barris por dia, o nível mais alto da história do país, segundo artigos publicados no New York Times e no Middle East Economic Survey, uma publicação setorial.   Ibrahim al-Muhanna, assessor de al-Naimi, não confirmou a veracidade das reportagens, mas afirmou que o ministro "esclarecerá (a questão) amanhã".   A Arábia Saudita convocou para o próximo dia 22 uma reunião de países produtores e consumidores de petróleo, na cidade portuária de Jeddah, para discutir formas de enfrentar a alta no preço do petróleo. Segundo a matéria do NYT, publicada neste sábado, o aumento na produção será anunciado após a reunião. O jornal cita como fonte analistas e traders não identificados.   Já o Middle East Economic Survey afirmou na sexta-feira que os sauditas estavam considerando o aumento, mas não citou fontes.   A Arábia Saudita está preocupada que a disparada no preço do petróleo venha eventualmente a diminuir o apetite global pela commodity, afetando o país no longo prazo.   O petróleo vem batendo recordes consecutivos de preço, que no último dia 6 ultrapassou US$ 139 por barril depois de saltar quase US$ 11, a maior elevação em um único dia da história.   Na sexta-feira, os preços já haviam recuado, com o contrato para entrega em julho fechando a US$ 134,86 por barril na New York Mercantile Exchange (NYME), US$ 1,88 mais barato que no dia anterior.

Tudo o que sabemos sobre:
PetróleoArábia Saudita

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.