SBM esclarece fala sobre plataformas

A SBM Offshore esclareceu declarações do diretor responsável pelo Brasil, Philippe Levy, em outubro do ano passado durante a conferência do setor de petróleo OTC. No evento, ele havia dito que o afretamento é uma opção duas vezes mais cara para a Petrobrás do que a construção de plataforma própria, mas, no fim das contas, era um bom negócio para a estatal, que não dispõe de caixa para financiar todas as suas unidades.

17 de fevereiro de 2014 | 21h48

Segundo a empresa, num contrato de afretamento de 20 anos, há custos operacionais envolvidos e, por isso, os dois modelos não são comparáveis. A correta comparação seria com o investimento da plataforma atualizado, incluindo a inflação do período.

"Isso porque esse raciocínio desconsidera a necessidade de atualização financeira desses valores - que envolvem custos de contratos, custos operacionais, impostos, riscos de flutuação cambial, riscos de inflação de mão de obra - e o fato de que os custos de operação (pessoal, manutenção, etc.) estão considerados no contrato de afretamento", diz, em nota, a empresa.

 

Tudo o que sabemos sobre:
sbm

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.