SC prepara relatório sobre vírus de camarão

Integrantes da Secretaria de Agricultura do Estado de Santa Catarina e técnicos da Defesa Sanitária do Ministério da Agricultura estão reunidos em Florianópolis preparando um relatório sobre o foco de "mancha branca", um vírus que mata criações de camarão, mas não afeta humanos. A doença foi detectada em fazendas de Laguna, no sul de Santa Catarina. À tarde, o documento será remetido a Brasília para tentar suspender a proibição de venda de camarões, ostras, mariscos e peixes cultivados para fora de Santa Catarina.A medida foi criticada por Marcelo Bongiolo, presidente da Associação Catarinense de Criadores de Camarão. Ele afirmou que a medida foi adotada por pessoas que "não sabiam da realidade". Segundo ele, é um foco localizado e não há restrições para o consumo humano.A oceanógrafa Flávia Ribeiro Couto, da Fazenda Marinha Atlântico Sul, disse que o Ministério da Agricultura foi radical e não sabe o que está fazendo. "A mancha branca é específica de crustáceos decápodes, como camarões e lagostas, e não tem qualquer relação com ostras e mexilhões", disse ela. Sua empresa fornece ostras, mariscos e mexilhões para todo o País.Proibido comércio de peixes e crustáceos de SC

Agencia Estado,

26 de janeiro de 2005 | 11h51

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.