Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

SC quer atestado internacional como área livre de aftosa

Santa Catarina quer aproveitar a 18ª Conferência da Comissão Regional da Organização Mundial de Saúde Animal (OIE) para as Américas, que será realizada em Florianópolis (SC) entre os dias 28 de novembro e 2 de dezembro, para reforçar a mobilização pelo reconhecimento como área livre de aftosa sem vacinação. O status já é válido perante o Ministério da Agricultura, mas o Estado reivindica o atestado internacional junto à OIE. Para isso, o Brasil precisa encaminhar pedido à OIE. Na avaliação do governo catarinense e do setor produtivo, o reconhecimento permitirá ao Estado disputar mercados mais exigentes nas normas sanitárias, como Japão e Coréia do Sul. Logo após o evento, Florianópolis será a sede da 1ª Conferência Internacional de Laboratórios de Referência e Centros Colaboradores da OIE, de 3 a 5 de dezembro. O presidente da Federação da Agricultura de Santa Catarina (Faesc), José Zeferino Pedrozo, propôs nesta segunda-feira que entidades públicas e privadas aproveitem os eventos para defender o reconhecimento do Estado, apresentando estudos para embasar o pedido. Santa Catarina integra o Circuito Pecuário Sul junto com o Rio Grande do Sul, mas, ao contrário do Estado vizinho, optou por retirar a vacinação do rebanho contra a aftosa. O reconhecimento internacional teria reflexos sobre o circuito, já que o Rio Grande do Sul não considera suspender a imunização.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.