Schincariol acusa Ambev de práticas desleais no comércio

A cervejaria Schincariol entregou hoje à Secretaria de Direito Econômico (SDE) e ao Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) um parecer econômico para sustentar a contestação à operação de troca de ativos entre as cervejarias brasileira Ambev e a belga Interbrew. O parecer tenta mostrar que a operação trará reflexos negativos à concorrência no mercado brasileiro. Além disso, a Schin pede aos órgãos de defesa da concorrência uma medida preventiva contra a Ambev pela adoção de práticas desleais que já estariam ocorrendo, como acordos de exclusividade e programa de fidelização de pontos de venda.A Schin afirma que a operação Ambev-Interbrew reforçará a posição já dominante da Ambev no mercado brasileiro de cervejas, o que poderá levar a concorrente a ?impor com maior facilidade condições a fornecedores e clientes, de forma unilateral, e agir sem limitações impostos pela concorrência?. A nova companhia, que surgirá da operação, diz a Schin, terá marcas de cervejas que poderão ser lançadas no mercado com facilidade, reduzindo os espaços de mercado para o crescimento de outras empresas. Haverá, segundo a Schin, uma divisão de mercados entre as companhias de atuação internacional que beneficiará apenas os acionistas e não os consumidores.A operação de troca de ativos entre a Ambev e a Interbrew ainda está sendo analisado pelos órgãos de defesa da concorrência e ainda não há previsão de julgamento.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.