Schincariol nega sonegação e critica ação da Polícia Federal

O Grupo Schincariol divulgou comunicado à imprensa em que nega as acusações divulgadas nesta quarta-feira, de que montou um grande esquema de sonegação fiscal de tributos federais e estaduais. Na nota, a empresa informa que sempre defendeu a instalação de medidores de vazão, que permitem ao fisco verificar em tempo real o volume de produção e que em janeiro foi concluída a instalação de medidores em todas as unidades de produção da empresa, faltando apenas a homologação da Receita Federal para que entrassem em funcionamento. Informou também que seus documentos sempre estiveram à disposição do fisco."Com capital 100% nacional, o Grupo sempre exerceu com consciência sua responsabilidade econômica e social, o que se traduz na geração de empregos - 7 mil trabalhadores diretos e 25 mil indiretos -, recolhimento de impostos - mais de R$ 1 bilhão em 2004 - e realização de investimentos - construção de seis novas fábricas em quatro anos, envolvendo recursos da ordem de R$ 1 bilhão", informa a nota.O documento diz ainda que a empresa lamenta a forma como foi conduzida a ação, "pautada por um comportamento violento e sensacionalista contra cidadãos de bem, que não ofereceram qualquer resistência, com residência fixa e conhecida, dirigentes de uma empresa que contribui reconhecidamente para o desenvolvimento do País".A Schincariol acrescenta que em 1993, quando alcançou 4% do mercado de cerveja, foi alvo de acusações de que o crescimento era fruto da sonegação de impostos. Agora, 12 anos depois, com 13% do mercado após uma bem-sucedida estratégia de marketing, "novamente as falsas denúncias vêm à tona".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.