Schincariol planeja investir R$ 1 bilhão no próximo ano

Grupo quer ampliar centros de distribuição; investimento na área de marketing será de 10% da receita

Lorena Vieira, da Agência Estado,

29 de novembro de 2007 | 16h43

A Schincariol planeja investir cerca de R$ 1 bilhão em 2008. O montante será equivalente ao aplicado pelo grupo neste ano, quando foram compradas as marcas Devassa, Nobel e Baden Baden. No biênio 2005-2006, a empresa investiu R$ 500 milhões. A previsão da companhia é manter a média de aplicação de 10% do total da receita na área de marketing, porcentual verificado tanto em 2006 quanto neste ano. A aposta da Schin em 2008, além da estrutura administrativa profissionalizada, está na ampliação de centros de distribuição. Neste ano, a companhia passou de 8 unidades para 40. O grupo dará início efetivamente à operação da nova fábrica instalada em Horizonte, no Ceará, no começo de 2008. O diretor de Marketing do grupo, Marcel Sacco, não informou para quanto deve aumentar a capacidade produtiva da Schin no próximo ano. Em 2007, o grupo passou de cerca de 3 bilhões de litros para 4 bilhões de litros de cerveja. Atualmente, a fábrica de Alagoinhas, na Bahia, está sendo ampliada. Por enquanto, segundo o executivo, não há planos para a expansão da capacidade nas unidades recém-adquiridas da Nobel e da Baden Baden, esta última em Campos de Jordão (SP). As perspectivas são boas para 2008 também porque o mercado de cerveja deverá crescer entre 8% e 9% em relação a este ano, de acordo com estimativa de Sacco. Em 2007, a expansão será de cerca de 7%, na comparação com 2006. A reestruturação realizada na empresa ao longo deste ano não visa a preparação da companhia para uma possível venda, segundo o presidente da Schincariol, Fernando Terni. "Não fomos contratados para isso. Temos o objetivo de melhorar o posicionamento e a rentabilidade da companhia", disse Terni, referindo-se à entrada de profissionais do setor em substituição aos administradores da família. Ele ocupa o cargo desde fevereiro deste ano. Atualmente, o grupo Schincariol possui cerca de R$ 300 milhões em dívidas pendentes, que estão em discussão para que a empresa identifique se são valores devidos ou não. O montante inclui, principalmente, tributos como PIS, Cofins e INSS.

Tudo o que sabemos sobre:
Schincariolinvestimentos

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.