Schwarzer: Previdência é assunto para depois da CPMF

O secretário de Políticas de Previdência Social, Helmut Schwarzer, informou hoje que somente após o fim da negociação em torno da emenda que prorroga a cobrança da CPMF o governo definirá como e se encaminhará ao Congresso Nacional alguma proposta de reforma previdenciária, tendo como base as conclusões do Fórum Nacional de Previdência Social. "O relatório do Fórum ainda será enviado ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que é quem vai dar as instruções sobre o que fazer", afirmou o secretário hoje durante palestra no seminário "Desafios para a Previdência Social no Brasil" organizado pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea).O secretário fez um balanço positivo dos trabalhos do Fórum, embora não tenha obtido consenso em torno de alterações nas regras previdenciárias que adaptem o sistema brasileiro às mudanças demográficas, como o envelhecimento populacional e a redução da taxa de fecundidade por mulher. "Mesmo que seja um processo demorado, o diálogo social (Fórum) tem um resultado muito mais sustentável do que um grupo de especialistas propor uma reforma sem ouvir a sociedade", comentou Schwarzer.Helmut afirmou que, pessoalmente, acredita que o Brasil tem hoje a "melhor janela de oportunidades" para mudar regras previdenciárias, mesmo que elas só entrem em vigor para a próxima geração de trabalhadores. "Assim, a transição seria muito mais suave", disse. Ele defendeu também uma revisão nas regras de concessão de pensões por morte que estão bastante distantes das regras adotadas na maior parte dos países. Via de regra, outros países consideram a quantidade de filhos e a idade do cônjuge sobrevivente ao falecimento do parceiro para calcular o valor dos benefícios. "Nós, aqui, pagamos 100% do benefício independente dessas condições", afirmou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.