Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

SDE investigará cartel de mangueiras

Equipamento é usado pela Petrobrás no transporte de petróleo e derivados

Gerusa Marques, O Estadao de S.Paulo

13 de novembro de 2007 | 00h00

A Secretaria de Direito Econômico (SDE), do Ministério da Justiça, abriu um processo administrativo para investigar um suposto cartel internacional de mangueiras marítimas. Essas mangueiras são usadas para transportar petróleo e produtos derivados para navios petroleiros e instalações petrolíferas na costa e em alto-mar.O processo foi instaurado contra várias empresas e pessoas jurídicas - entre elas a Bridgestone Corporation, Dunlop Oil and Marine Ltda., Kleber (Trelleborg Industrie S.A.), ITR Oil and Gas Division/Pirelli (Grupo Parker Hannifin), The Yokohama Rubber Co., Manuli Rubber Industries SpA, Sumitomo Rubber Industries, K.K., Hewitt-Robins, Goodyear do Brasil Produtos de Borracha Ltda., Pagé Indústria de Artefatos de Borracha Ltda., Flexomarine S.A. e Flexomarine Empreendimentos Ltda.Segundo a SDE, as empresas envolvidas na operação fixam um preço mundial para as mangueiras, além de dividir entre elas mercados e clientes. Essa prática teria começado na década de 80, causando um prejuízo maior para a Petrobrás, no mercado brasileiro. De acordo com dados da secretaria, entre 2000 e 2005, a venda de mangueiras marítimas para o Brasil teria movimentado US$ 48 milhões.O processo administrativo aberto pela SDE está baseado em informações obtidas numa operação de busca e apreensão que contou com o apoio da Advocacia Geral da União (AGU) e da Polícia Federal.ACORDOA SDE obteve ainda informações no âmbito de um acordo de leniência firmado com empresas e pessoas envolvidas no suposto cartel. Num acordo desse tipo, os acusados concordam em fornecer informações à SDE em troca de abrandamento das penas em caso de condenação - uma espécie de delação premiada. Os investigados no Brasil, segundo nota divulgada pela SDE, terão direito de defesa junto à secretaria.A SDE informou ainda que o mesmo cartel vem sendo investigado por autoridades de defesa da concorrência dos Estados Unidos, Reino Unido, União Européia e Japão, onde já foram cumpridos, neste ano, mandados de busca e apreensão e até de prisão. Segundo a secretaria, no dia 6 de novembro dois executivos confessaram sua participação no cartel perante a Justiça americana. Eles fecharam acordo para pagar multas de US$ 100 mil e terão de cumprir 14 meses de prisão.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.