Ações

Empresas de Eike disparam na bolsa após fim de recuperação judicial da OSX

Se correr a inflação pega, se ficar a inflação come

O cenário mostrado pelos dados da Pesquisa Mensal de Emprego é péssimo para os brasileiros. A chance de se obter um emprego cai vertiginosamente e, aliado a essa piora, as famílias percebem uma deterioração de suas condições financeiras, em virtude, principalmente, da renda real do trabalho comprimida: queda de 5% em relação a maio de 2014, maior redução desde o longínquo janeiro de 2004.

Rodrigo Leandro de Moura, O Estado de S.Paulo

26 de junho de 2015 | 02h03

Essa redução de 5% pode ser decomposta em dois componentes: reajuste nominal concedido pelas empresas e desconto da inflação. O primeiro foi de 3,5%, menor nível desde maio de 2004, quando registrou 2,5%. Por sua vez, a inflação foi de 8,6%, maior nível desde dezembro de 2003, quando registrou quase 10%.

Com a inflação dos preços administrados subindo e a dos preços livres (incluído alimentação) ainda em um patamar elevado, a inflação das famílias deve continuar subindo. Com a redução da demanda por trabalho pelas empresas, os reajustes nominais devem minguar cada vez mais. Com isso, não descarto a possibilidade de até o fim do ano a renda real do trabalho apresentar reajuste nominal nulo e, com isso, uma contração igual à taxa inflacionária. Em outras palavras, em algum mês deste ano, a renda real dos trabalhadores pode chegar a uma variação negativa de 9%, valor projetado para a inflação pelo próprio governo.

Além disso, buscar empregos no setor informal não está sendo vantajoso.

Apesar do aumento do desemprego teoricamente estimular a migração para o segmento desregulado da economia, os rendimentos, tanto dos trabalhadores formais como informais (incluído os trabalhadores por conta própria), apresentam redução a taxas similares por causa da inflação - o que mostra que a diferença de renda entre os dois grupos permanece relativamente estável. Isso lembra um famoso ditado (levemente alterado para esse contexto): se correr a inflação pega, se ficar a inflação come.

* Professor e pesquisador - Ibre/FGV

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.