André Dusek/Estadão
André Dusek/Estadão

coluna

Dan Kawa: Separar o ruído do sinal é a única forma de investir corretamente daqui para a frente

Se for necessário, vamos contingenciar o Orçamento de 2018, diz Meirelles

De acordo com o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, os cálculos para tomar essa decisão estão sendo feitos 'levando em conta diversos fatores'

Gustavo Porto, enviado especial, O Estado de S.Paulo

30 de janeiro de 2018 | 14h13

RIO VERDE, GOIÁS - O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, admitiu que, se necessário, o governo fará o contingenciamento do Orçamento de 2018 e que cálculos para tomar essa decisão estão sendo feitos, "levando em conta diversos fatores". Ontem, entretanto, o ministro havia afirmado que, devido ao déficit fiscal menor em 2017, cortes no Orçamento poderiam ser descartados

Segundo o ministro, os fatores avaliados são a reoneração da folha de pagamento, "cuja aprovação este ano terá impacto nas despesas", e subsídios adotados pelo governo. Pagamento de emendas aos parlamentares "não á fator de objeto de consideração" pelo governo para contingenciar o Orçamento, segundo o ministro.

Meirelles salientou que uma decisão sobre o contingenciamento não está tomada e que o governo trabalha agora para votar a Reforma da Previdência em fevereiro sem possibilidade de adiar o cronograma caso não tenha votos necessários. "A hipótese de trabalho é votar agora em fevereiro e aprovar a Reforma da Previdência.

No momento não trabalhamos com essa hipótese (de não ter votos necessários)", disse o ministro, em conversa com jornalistas logo após evento de lançamento de linhas de pré-custeio para a safra 2018/2019 do Banco do Brasil, em Rio Verde (GO).

Resultado fiscal de 2017. Meirelles também disse que o resultado fiscal de 2017, com o déficit de R$ 124,4 bilhões, anunciado ontem pelo Tesouro, foi "substancialmente melhor do que a meta estabelecida", de R$ 159 bilhões para 2017.

Segundo o ministro, além da importância dentro do processo de consolidação fiscal, o resultado mostra o "compromisso do governo com contenção fiscal e conservadorismo na avaliação da evolução das contas públicas durante o correr do ano".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.