carteira

As ações mais recomendadas para dezembro, segundo 10 corretoras

Se governo não agir, ''haverá um tsunami de desemprego em 2009'', diz sindicalista

Dirigentes das centrais sindicais pediram ontem do ministro da Fazenda, Guido Mantega, que exija contrapartida das empresas, com a manutenção do emprego, para "cada centavo" que elas receberem do governo em empréstimos ou incentivo tributário. Segundo o presidente da Força Sindical, Paulo Pereira da Silva, o Paulinho, sem a adoção de medidas rápidas, haverá um "grande tsunami" de desemprego no início do ano que vem. De concreto, os sindicalistas conseguiram apenas o compromisso do ministro para organizar câmaras setoriais com as empresas dos setores mais afetados pela crise financeira. A idéia é que nessas câmaras trabalhadores, governo e empresários discutam mecanismos de contrapartida do emprego. Contando com o anúncio ainda ontem de medidas para evitar o desemprego em 2009, os dirigentes das centrais sindicais saíram da reunião frustrados. "Tem que ser hoje. Estamos às vésperas do Natal", disse Paulinho quando chegou ao Ministério da Fazenda para a reunião com Mantega. O presidente da Central Única dos Trabalhadores (CUT), Arthur Henrique, disse que as centrais que esperavam pelo menos uma decisão sobre a correção maior da tabela do Imposto de Renda da Pessoa Física (IRPF). O secretário-geral da Presidência, ministro Luiz Dulci, que participou do almoço, informou que já agendou com o presidente do BNDES, Luciano Coutinho, reunião para discutir a proposta de atrelar a concessão de crédito à manutenção do emprego pelas empresas. No dia da decisão do Comitê de Política Monetária (Copom), o presidente da Força Sindical prometeu organizar uma mobilização nacional para "derrubar" o presidente da autoridade monetária, Henrique Meirelles, se o BC não reduzisse os juros. "Se o BC não baixar os juros, certamente demissões ocorrerão a partir de janeiro. Alguém tem que pagar por isso."Se o governo reduzir temporariamente a alíquota do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) dos automóveis, o diretor da CUT, José Lopez Feijóo, disse que será preciso assinar um compromisso com todas as empresas da cadeia produtiva do setor automobilístico para garantir a manutenção do emprego e redução dos preços. Segundo ele, acordo desse tipo foi assinado pelo ex-ministro da Fazenda Antônio Palocci no início de 2003.Na época como presidente do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, Feijóo participou das negociações e disse que o acordo deu certo e os empregos foram preservados. Segundo ele, "sempre é possível" assinar um acordo.

Adriana Fernandes e Fabio Graner, O Estadao de S.Paulo

11 de dezembro de 2008 | 00h00

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.