Dida Sampaio/Estadão - 22/2/2019
Dida Sampaio/Estadão - 22/2/2019

'Se maioria defender, BPC e rural serão suprimidos', diz Marinho

Alterações no pagamento do Benefício de Prestação Continuada e na aposentadoria rural são os pontos mais questionados pelos deputados no texto do projeto de reforma da Previdência

Fabrício de Castro, O Estado de S.Paulo

02 de abril de 2019 | 11h45

O secretário especial de Previdência, Rogério Marinho, afirmou nesta terça-feira, 2, após reunião com o ministro da Economia, Paulo Guedes, e deputados do PSD, que o governo continuará defendendo os pontos apresentados pelo Executivo no projeto de reforma da Previdência.

Questionado se o governo concordava em retirar da proposta o Benefício de Prestação Continuada (BPC), o auxílio pago a idosos e pessoas com deficiência carentes, e a aposentadoria rural, Marinho afirmou que os parlamentares dirão qual será o texto da Previdência.

"Se a maioria dos deputados defender, BPC e rural serão suprimidos", acrescentou o secretário, ressaltando que, no início dos trabalhos, o governo vai abrir os números do benefício.

Pela proposta de alteração no pagamento do BPC enviada ao Congresso, idosos de baixa renda receberão R$ 400 de benefício a partir dos 60 anos e só ganharão um salário mínimo a partir dos 70 anos. Hoje, o auxílio é pago aos 65 anos, no valor de um salário mínimo (R$ 998), a partir dos 65 anos para pessoas que comprovam situação de miséria (renda per capita de até um quarto do salário mínimo).

Já para os trabalhadores rurais, a proposta vai exigir idade mínima de 60 anos (para homens e mulheres). Hoje, as mulheres podem pedir o benefício aos 55 anos e os homens, aos 60 anos, desde que tenham 15 anos de contribuição – a proposta aumenta o tempo de contribuição para 20 anos.

Marinho ainda afirmou que o ministro Paulo Guedes faz o seu papel ao ouvir os parlamentares.

Nessa segunda-feira, 1º, o Estado mostrou que parlamentares preparam uma série de alterações no texto da reforma da Previdência. Retirar do texto mudanças previstas para a aposentadoria rural e para o BPC é praticamente consenso, mas há outros pontos que também devem ser debatidos.

A maioria das emendas deve ser apresentada durante a segunda fase da tramitação da proposta no Congresso, quando o projeto chegar à comissão especial. O colegiado será instalado após a aprovação da admissibilidade da proposta na Comissão de Constituição, Cidadania e Justiça (CCJ).

Reforma tributária

Marinho também afirmou que é necessário que o governo faça a reforma tributária e o novo pacto federativo, além da reforma da Previdência.

O secretário lembrou que existe hoje a necessidade de o governo reequilibrar as contas públicas. Questionado sobre o contingenciamento mais recente promovido pelo governo, Marinho defendeu que o corte foi uniforme e atingiu todas pastas.

Sobre a interlocução entre Guedes e os parlamentares, Marinho afirmou que o ministro entende que há neste momento necessidade de ação do Ministério da Economia. "Guedes permite um diálogo mais franco com o Parlamento"

Marinho foi questionado ainda se será possível aprovar a reforma da Previdência ainda no primeiro semestre deste ano: "Quem define o cronograma e a dinâmica é o próprio Parlamento", afirmou.

Paulo Guedes na CCJ AO VIVO

Acompanhe aqui outras informações sobre a presença do ministro da Economia na CCJ da Câmara dos Deputados para debater reforma da Previdência.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.