Isac Nobrega/PR
Isac Nobrega/PR

'Se nada fizermos, poderemos ter apagões', diz Bolsonaro nas redes sociais

Segundo o presidente, níveis baixíssimos das represas e falta de chuvas ameaçam o fornecimento de energia elétrica

Emilly Behnke, O Estado de S.Paulo

01 de dezembro de 2020 | 09h45

BRASÍLIA - O presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta terça-feira, 1°, que o País corre o risco de ter apagões e, por isso, é preciso aumentar a taxa da conta de luz. A justificativa do chefe do Executivo, que ainda citou os "níveis baixíssimos" das represas, foi postada em um comentário nas suas redes sociais ao responder um usuário que o cobrou sobre a alta no preço da energia elétrica

"A conta de luz vai aumentar. Obrigado PR", publicou, em tom de ironia, o usuário identificado como Ricardo Souza Silva. Em seguida, o próprio perfil de Bolsonaro respondeu o "agradecimento". "As represas estão (em) níveis baixíssimos. Se nada fizermos poderemos ter apagões. O período de chuvas, que deveriam começar em outubro, ainda não veio. Iniciamos também campanha contra o desperdício", escreveu o presidente. 

Na segunda-feira, 30, a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) aprovou a retomada do sistema de bandeiras tarifárias na conta de luz a partir desta terça-feira. Por causa da pandemia da covid-19, o mecanismo havia sido suspenso em maio. A agência havia acionado a bandeira verde, sem cobrança de taxa extra, até o fim deste ano, mas a decisão foi revisada na segunda. 

De acordo com a Aneel, não é possível manter a bandeira verde nas atuais condições. Agora, as tarifas terão bandeira vermelha em seu segundo patamar, com uma taxa extra de R$ 6,243 a cada 100 kWh. A justificativa relacionada à seca também foi apresentada pelo diretor da Aneel, Efrain Pereira da Cruz. Ele destacou "afluências críticas” nos principais reservatórios do País  e deterioração nos meses de outubro e novembro. A situação já implicou no acionamento de termelétricas, o que pressionou o custo de geração de energia no País.

De acordo com dados do Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS), reservatórios de algumas hidrelétricas realmente inspiram preocupação. A represa de Furnas, em Minas Gerais, por exemplo, estava ontem com 16,38% do seu volume útil. Em Goiás, o reservatório de Serra da Mesa estava com 23,87%. No Pará, a represa de Tucuruí tinha 25,19% do seu volume útil.

Ainda segundo o diretor da Aneel, o consumo de energia retomou o patamar pré-pandemia em setembro, e o setor enfrenta novamente uma seca que há muito não se via. Por isso, a avaliação da Aneel é que o sistema de bandeiras precisa ser retomado imediatamente - e não apenas em janeiro de 2021, como indicava a nota técnica do órgão regulador. “São indícios concretos de que o mecanismo das bandeiras já merece ser restabelecido e a curto prazo”, disse o diretor.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.