Alex Silva/Estadão
Alex Silva/Estadão

Se PIB brasileiro cair 4% neste ano, será crise mais profunda do século, diz Setubal

Apesar do cenário desafiador, presidente do Itaú acredita que há sinais encorajadores na inflação, que parece ceder

Aline Bronzati, Álvaro Campos e Ricardo Leopoldo, O Estado de S. Paulo

07 de abril de 2016 | 10h15

SÃO PAULO - Em evento nesta quinta-feira, 7, o presidente do Itaú Unibanco, Roberto Setubal,  voltou a alertar para as dificuldades de o País sair da recessão econômica. "O Brasil passa por um dos períodos mais desafiadores de sua história. Se o PIB [produto interno bruto] cair 4% este ano, será a crise mais profunda do século", afirmou ele, durante evento, em São Paulo. Em 2015, a economia brasileira encolheu 3,8%, a pior recessão desde de 1990, quando a queda havia sido de 4,35%. 

Apesar do cenário desafiador na economia e na política e da "elevada incerteza", Setubal acredita que há sinais encorajadores na inflação, que parece ceder. Lembrou, contudo, que o ambiente afeta a vida das empresas e traz desafios na gestão. Sobre o contexto global, afirmou que também segue "envolto de incertezas".

"Desafios se apresentam assim como nossa disposição em superá-los. Somos parte da solução apoiando clientes neste momento de dificuldade", acrescentou o executivo.

O evento sobre macroeconomia é promovido pelo Itaú Unibanco. Participam o ministro da Fazenda, Nelson Barbosa, o presidente do Banco Central, Alexandre Tombini, e outros.

Tudo o que sabemos sobre:
Roberto SetubalPIBEconomia Mundial

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.