Se preço do pão não cair, governo não prorrogará benefícios

Segundo secretário da Fazenda, expectativa é que desonerações levem a queda de até 10% nos preços

Fabio Graner, da Agência Estado,

15 de maio de 2008 | 10h10

O secretário de Política Econômica do Ministério da Fazenda, Bernard Appy, afirmou que se a desoneração do trigo, farinha de trigo e do pão não chegar ao consumidor, o benefício fiscal não será prorrogado. De acordo com as medidas divulgadas na quarta-feira pelo governo, a cadeia do trigo, inclusive o pão francês, teve suspensão da cobrança de PIS/Cofins até o final do ano.  Veja também:Governo anuncia medidas e preço do pão francês pode cair "Se a sensação for de que não houve repasse, o benefício não será prorrogado", afirmou. "Isso vai ser avaliado e um dos pontos que mais será levado em conta é o repasse da desoneração", disse Appy. Segundo Appy, a expectativa é que as desonerações levem a uma queda de 9% a 10% nos preços do pão. Segundo o secretário, o corte de tributo na cadeia do trigo vai na direção da desoneração da cesta básica, prevista na reforma tributária. Appy espera que a reforma seja aprovada na Câmara até o fim do trimestre. Ele destacou que a previsão do governo, com base na proposta que está no Congresso, é de que criado o IVA federal, o óleo de soja e o açúcar também sejam desonerados. Appy afirmou que a medida anunciada ontem é "plenamente compatível com a solidez fiscal" e ajuda a amenizar preço do trigo e de seus derivados. As afirmações do secretário foram feitas em entrevista antes de sua participação em seminário do Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social sobre reforma tributária.

Tudo o que sabemos sobre:
Pão francêsTrigo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.