Edu Andrade/ME
Edu Andrade/ME

'Se todo mundo ao mesmo tempo falar, 'vamos furar o teto', viro Brumadinho', diz Guedes

Ele disse ser o ministro 'mais vulnerável' e 'demissível em cinco minutos' e se comparou a uma represa

Idiana Tomazelli e Lorenna Rodrigues, O Estado de S.Paulo

18 de dezembro de 2020 | 14h10

BRASÍLIA - Chamado pelo presidente Jair Bolsonaro de “Posto Ipiranga” do governo para temas econômicos, o ministro Paulo Guedes rechaçou nesta sexta-feira, 18, o carimbo de “superministro” e disse ser “o mais vulnerável” e “demissível em cinco minutos”. Pressionado de forma recorrente a aumentar gastos, Guedes se comparou a uma represa e afirmou que, se todos os colegas de Esplanada partirem para cima dele em busca de mais despesas, ele vira Brumadinho - em alusão à represa da mineradora Vale que se rompeu, despejou toneladas de rejeitos e matou 270 pessoas.

“Nunca acreditei que sou superministro de nada. Sou demissível em cinco minutos. Quem é que é super se pode ser demissível em cinco minutos? Não existe isso. Uma pessoa que pode ser demitida em cinco minutos não é ser super nada, só se for bobo, só se achar que tem um poder que não tem. Eu sou ministro como os outros e sou o mais vulnerável, sempre fui, sempre disse isso nas nossas reuniões de ministros”, disse Guedes em coletiva virtual para apresentar um balanço de fim de ano.

O ministro disse que tem atuação transversal na Esplanada e, por isso, se comparou a uma represa. Ele afirmou que pode atuar como Itaipu, gerando energia para todo o governo, ou Brumadinho, a represa que foi palco da tragédia no início de 2019, caso todos os ministros comecem a pressionar por gastos e queiram furar o teto de gastos, a regra que limita o avanço das despesas à inflação.

“Se todo mundo partir ao mesmo tempo para falar 'vamos furar o teto', viro Brumadinho. O troço vaza, vai embora, em três, quatro meses estou no chão. Não tenho a menor ilusão quanto a isso”, disse.

Guedes ressaltou que, embora seja “vulnerável” a todos os ministros, pois todos podem brigar com ele, tem contado com a compreensão dos colegas. Sem mencionar os embates que já teve com o ministro do Desenvolvimento Regional, Rogério Marinho, ele citou os nomes de Tereza Cristina (Agricultura) e Tarcísio de Freitas (Infraestrutura) e ministros militares como compreensivos - embora tenha reconhecido que “um militar aqui ou li tem uma resistência”. “Mas quando senta e conversa, apoia”, emendou.

“Desfrutei da colaboração de ministros e da confiança do presidente em todo esse tempo. Turbulência e confusão são inerentes ao problema (da pandemia)”, disse o ministro, afirmando que a doença “deixou todo mundo um pouco tonto, irritado, ansioso”.

“Confio que ele (presidente) entende que eu preciso ter espaço para agir”, disse Guedes.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.