Seade: SP tem deficiência de mão-de-obra

No Estado mais rico do País, a falta de treinamento profissional não é o único problema para a escassez de mão-de-obra especializada. Pesquisa divulgada pela Fundação Sistema Estadual de Análise de Dados (Seade) revelou que 42% da População Economicamente Ativa (PEA) do Estado de São Paulo, com idade entre 15 e 65 anos, é analfabeta ou não completou o ensino fundamental.A ausência do ensino básico é maior nas faixas de idade mais elevada. Na faixa etária de 45 a 59 anos, por exemplo, chega a 54%, ante 20,5% na de 15 a 29 anos. ?O estudo nos trouxe a revelação de que precisamos nos preocupar muito com a qualificação, com reforço do ensino básico para a população mais madura?, disse o secretário estadual do Emprego e Relações do Trabalho, Guilherme Afif Domingos. A pesquisa da Seade foi encomendada pela secretaria do Trabalho para servir de subsídio para a elaboração do Programa Estadual de Qualificação Profissional, que deverá ser colocado em prática ainda neste ano.A necessidade de contratar profissionais experientes, que estão em falta no mercado, tem levado um número cada vez maior de empresas a recorrer a funcionários aposentados. Outra alternativa tem sido a contratação de profissionais recém-formados, sem experiência profissional, mas com boa formação acadêmica. Nesse contexto, os desempregados com idade avançada enfrentam sérias dificuldades para encontrar uma nova colocação no mercado de trabalho. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.