Seade/Dieese: desemprego em SP sobe a 12,5% em janeiro

A taxa de desemprego na região metropolitana de São Paulo ficou em 12,5% em janeiro deste ano, segundo dados divulgados hoje pela Fundação Seade e pelo Dieese. Em dezembro, a taxa de desemprego estava em 11,8%, e em janeiro de 2008, em 13,6%. Segundo cálculos divulgados pelos pesquisadores, embora o aumento na margem do desemprego entre dezembro e janeiro seja um comportamento esperado para o mês passado, o crescimento verificado este ano, de 5,9%, foi um dos maiores da série para meses de janeiro. Para se ter uma ideia, comportamento semelhante só foi verificado em janeiro de 1992, quando o desemprego subiu 7,6% ante dezembro de 1991, e em janeiro de 1991, quando o indicador teve alta de 5,3% ante dezembro de 1990.O contingente de desempregados na região metropolitana de São Paulo foi estimado em 1,305 milhão de pessoas, 65 mil a mais que em dezembro. Esse acréscimo de desempregados foi o maior para meses de janeiro desde o início da série histórica da pesquisa, em 1985. Foram eliminados 137 mil postos de trabalho, números só comparáveis aos verificados em janeiro de 1992, quando 138 mil vagas foram fechadas e em janeiro de 1991, quando 134 mil empregos foram perdidos.Apesar disso, a taxa de desemprego de janeiro deste ano é a menor desde janeiro de 1996, quando estava em 13,1%, segundo a Fundação Seade e o Dieese. Para efeito de comparação, em janeiro de 1995, o desemprego na região metropolitana de São Paulo, estava em 12,1%.RendaO rendimento médio real dos ocupados aumentou 1,5% em dezembro ante novembro e passou a equivaler a R$ 1.211,00. O rendimento subiu 0,4% ante dezembro de 2007. O nível de ocupação na região metropolitana de São Paulo caiu 1,5% ante dezembro e subiu 2,8% ante janeiro de 2008. O contingente de ocupados foi estimado em 9,132 milhões de pessoas, 137 mil a menos que em dezembro. A massa de rendimento dos ocupados, indicador que combina nível de ocupação e rendimento, subiu 2,1% em dezembro ante novembro e 3,9% ante dezembro de 2007.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.