SEB, de Chaim Zaher, recompra Pueri Domus da Pearson

Ações

Empresas de Eike disparam na bolsa após fim de recuperação judicial da OSX

SEB, de Chaim Zaher, recompra Pueri Domus da Pearson

Empresa negocia novas aquisições para os próximos meses e prevê abrir o capital em 2018

Fernando Scheller, O Estado de S.Paulo

30 de janeiro de 2017 | 13h38

O grupo educacional brasileiro SEB, de Chaim Zaher, acertou com a britânica Pearson a recompra do sistema de ensino Pueri Domus, que havia sido adquirido pela multinacional em 2010. Segundo apurou o Estado, o valor do negócio ficou em R$ 20 milhões, equivalente a um oitavo do que a Pearson pagou sete anos atrás pelo Pueri Domus.

Em 2010, a Pearson comprou o Pueri Domus, por R$ 888 milhões, junto com os sistemas Dom Bosco e COC. Na época, o Pueri Domus representou cerca de 20% do total da aquisição, ou R$ 160 milhões.

A Pearson e a SEB não revelaram oficialmente o valor da transação. A Pearson afirmou, em nota, que cifras divulgadas ontem “não procedem”.

A nova negociação entre a SEB e a Pearson envolveu também a prorrogação do uso dos sistemas COC e Dom Bosco pelas escolas detidas pelo grupo do empresário Chaim Zaher por cinco anos. “Foi um bom negócio para ambas as partes”, definiu o empresário, que está transformando a SEB em uma companhia voltada para a educação básica.

A companhia negocia mais aquisições para os próximos meses – incluindo um sistema de ensino bilíngue e de uma marca de colégios de preço mais competitivo, com mensalidades entre R$ 500 e R$ 600 – e prevê voltar ao mercado de capitais em 2018 (a companhia teve capital aberto no passado, mas deixou a Bolsa).

Para Carlos Monteiro, consultor no setor de educação, a expectativa de recuperação da economia pode reanimar o setor de educação básica, que perdeu alunos nos últimos anos por causa da crise. “Os pais estão muito desanimados com a qualidade do ensino público”, disse o especialista. “A tendência é que a classe média volte para as escolas privadas rapidamente.”

Negócios. O grupo SEB, que faturou cerca de R$ 500 milhões em 2016, está dividido em quatro negócios. O primeiro será o das escolas Concept, bandeira super premium lançada no fim do ano passado, ao custo de R$ 100 milhões, e que já tem unidades em Ribeirão Preto (SP) e Salvador. A empresa terá uma área dedicada aos sistemas de ensino (denominada Conexia) e outras duas voltadas a colégios para a classe média alta (segmento que inclui bandeiras como a Dom Bosco) e para famílias de renda mais baixa.

Tudo o que sabemos sobre:
Dom BoscoRibeirão PretoSalvador

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.