Sebrae: cai número de micro e pequenos exportadores

O número de pequenas e micro empresas exportadoras caiu 4,4% em 2006 na comparação ao ano anterior. Foram 12.998 empresas de micro e pequeno porte que venderam seus produtos no exterior em 2006, contra 13.538 em 2005. É o que revela o estudo "As Micro e Pequenas Empresas na Exportação Brasileira - Brasil e Estados - 1998 - 2006", divulgado hoje pelo Sebrae e produzido com base em dados da Secretaria de Comércio Exterior (Secex), por meio da Fundação Centro de Estudos do Comércio Exterior (Funcex).Segundo o Sebrae, essa é uma tendência desde 1999 e a única exceção ocorreu em 2004, quando o número de pequenas empresas exportadoras cresceu duas vezes mais que o de grandes e médias empresas.De acordo com o presidente do Sebrae, Paulo Okamotto, a valorização do real ante o dólar é o fator que mais explica essa redução. "A valorização cambial tira muita competição dos pequenos", afirmou. O economista da Funcex, Fernando Ribeiro, acrescentou que, ao contrário das grandes e médias companhias que se utilizam da taxa de câmbio valorizada para importar insumos e, com isso, reduzir alguns custos de produção, as pequenas não conseguem utilizar essa estratégia.O estudo mostrou ainda uma redução de participação das exportações das micro e pequenas empresas no valor total das exportações brasileiras. Após atingir 2,13%, em 1998, elas passaram a representar apenas 1,4% em 2006.O número de pequenas e micros que exportam continuamente também é pequeno. No ano de 2006, 31,8% das microempresas que exportaram também o fizeram continuamente em anos anteriores. As que exportaram de forma descontínua somaram 34,5% e 33,7% foram estreantes naquele ano.RegiõesAs exportações das micro e pequenas empresas brasileiras se concentram essencialmente nas Regiões Sul e Sudeste do Brasil, onde estão quase 95% das firmas exportadoras deste segmento. Esse grupo é responsável por 82% do valor total vendido pelo segmento no exterior.De acordo com o levantamento do Sebrae, somente o Estado de São Paulo reúne 47% das empresas de micro e pequeno porte que exportam, seguido do Rio Grande do Sul (16,2%), Minas Gerais (8,6%), Santa Catarina (7,7%), Paraná (7,6%) e Rio de Janeiro (6,2%). O Espírito Santo participa com apenas 1,7% do total.Na Região Norte, o estado mais representativo em termos de exportação é o Pará, com 1,9% do total brasileiro. No Nordeste destacam-se o Ceará (1,4%) e a Bahia (1,2%).PerfilMais de 90% das micro e pequenas empresas brasileiras exportadoras são firmas industriais ou comerciais, fornecedoras essencialmente de bens manufaturados, segundo as análises feitas no estudo.Programa de apoioO Sebrae lançará em abril o Programa de Internacionalização de Micro e Pequenas Empresas, destinado a apoiar os empresários deste segmento, interessados em exportar e de se manterem de forma sustentável no mercado externo. "O apoio principal será dado para a passagem de informações aos pequenos empresários", afirmou o presidente do Sebrae, Paulo Okamotto.O estudo identificou que o principal motivo de desistência ou medo das exportações são as turbulências no mercado internacional e a falta de informações sobre como atuar. Para o Sebrae, fazer um planejamento adequado para administrar as exportações e superar eventuais dificuldades é a chave para manter as pequenas e micro empresas no mercado externo, algo que o programa de internacionalização poderá ensinar.O programa pretende aumentar o acesso dos empresários a informações num trabalho integrado do Sebrae, com a Agência de Apoio às Exportações (Apex), Banco do Brasil, BNDES e os Ministérios do Desenvolvimento, Indústria e Comércio e de Relações Exteriores. Será dado foco às exigências da legislação para realização das exportações, como especificações sobre embalagens, etiquetas, questões ambientais, e a respeito do que busca o consumidor dos países para onde se pretende exportar.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.