SEC denuncia ex-CEO da Countrywide

Angelo Mozilo é acusado de ter praticado fraude financeira nos EUA

Agências Internacionais, WASHINGTON, O Estadao de S.Paulo

05 de junho de 2009 | 00h00

Autoridades regulatórias dos Estados Unidos acusaram ontem Angelo Mozilo, ex-presidente da companhia hipotecária Countrywide Finantial Corp, de fraude financeira e de operar no mercado com informações privilegiadas. A Contrywide, que chegou a ser a maior empresa hipotecária do país, é uma das companhias consideradas responsáveis pelos excessos financeiros que criaram a bolha imobiliária nos EUA e desencadearam a crise financeira mundial. A Comissão de Valores Mobiliários americana (SEC, na sigla em inglês) ainda apresentou denúncia contra David Sambaol, ex-chefe de operações, e Eric Sierack, antigo diretor financeiro. O advogado de Mozilo, David Siegel, negou as acusações contra seu cliente.Uma sequência de mensagens enviadas por e-mail por Mozilo em setembro de 2006, antes do mercado hipotecário subprime desabar, em 2007, deu base às alegações da SEC. "A questão é que estamos voando às cegas sobre como será o desempenho desses empréstimos num ambiente de estresse, de alto desemprego, redução de preços de imóveis e queda nas vendas", escreveu Mozilo.A companhia concedia empréstimos hipotecários a clientes cujo risco de inadimplência era alto e transformava os créditos em papéis negociados nas bolsas de valores dos Estados Unidos e da Europa. O texto foi enviado após uma reunião de Mozilo com Sambol para discutir empréstimos ARM, modalidade que oferece opções de pagamento com taxa ajustável.A Countrywide foi a maior operadora do mercado de hipotecas de alto risco nos Estados Unidos. Mozilo negou ter praticado irregularidades. Seu advogado chamou as alegações da SEC de "sem fundamento". Mas o senador democrata Charles Schumer, de Nova York, foi taxativo: "Essa é uma empresa que transformou o sonho americano em pesadelo para milhares de inocentes mutuários e ao longo do caminho enganou os seus acionistas", afirmou .

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.