SEC: novas regras desagradam analistas

Há quase um mês em vigor, as novas regras para divulgação de informações do mercado norte-americano vêm causando desconforto para os analistas e elogios entre associações de pequenos investidores. Chamadas de "Fair Disclosure" (divulgação justa), as normas elaboradas pela Securities and Exchange Commission (SEC), o órgão regulador americano, exigem que a divulgação de dados sensíveis e estratégicos de uma companhia aberta seja feita ao mesmo tempo para analistas e todos os investidores.Pela nova legislação, as empresas não podem mais dar acesso exclusivo e antecipado a informações importantes para analistas, prática comum anteriormente durante reuniões fechadas e teleconferências. O presidente da SEC, Arthur Levitt, fez um balanço das primeiras semanas de uso da nova regra. "As reclamações após a implementação do ´Fair Disclosure´ revelam claramente que algumas empresas estavam se comunicando com os analistas de maneira totalmente inadequada", afirmou Levitt.Analista diz que trabalho ficará difícilO analista de telecomunicações do banco de investimentos Morgan Stanley Dean Witter, Luiz Carvalho, observou uma mudança radical desde o dia 23 de outubro, quando a nova regra entrou em vigor. Segundo ele, as empresas hoje não querem mais falar com o analista nada que não tinha sido divulgado antes para todas as pessoas, temendo ferir a nova legislação.Segundo Carvalho, o "Fair Disclosure", além de tornar o trabalho mais difícil para todos os analistas, vem causando mais oscilações no mercado. "A probabilidade de se ter surpresa com o resultado de uma empresa ficou maior", explicou.Antes, disse ele, quando os analistas tinham acesso aos executivos das empresas, eles checavam seus dados antes de soltar relatórios e guiar suas expectativas. "A nova regra aumentou a ´justiça´ ao favorecer o pequeno investidor, mas elevou o grau de oscilação das cotações também porque provocou maior dispersão de projeções entre os analistas."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.