Seca e calor derrubam safra de soja em São Paulo

Dos 29,9 milhões de sacas de 60 quilos previstos, serão colhidos 17,9 milhões

José Maria Tomazela, O Estado de S.Paulo

07 de fevereiro de 2014 | 02h05

SOROCABA - A falta de chuvas e o calor excessivo já causaram perdas de pelo menos 40% na safra paulista de soja, segundo técnicos da Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado. Dos 29,9 milhões de sacas de 60 quilos previstos, serão colhidos 17,9 milhões, ainda assim se as chuvas vierem a tempo de salvar as lavouras mais novas.

O prejuízo das condições climáticas na cultura já atinge R$ 744 milhões, conforme a cotação de ontem da soja. No sudoeste paulista, uma das principais regiões produtoras, as perdas chegam à média de 45%, mas as lavouras tardias, plantadas a partir de novembro, tiveram quebra de até 80%, segundo o dirigente da Secretaria em Itapeva, Vandir Daniel da Silva.

Mais do que a falta de chuva, as plantas sentem a alta temperatura, segundo ele. "Nossa região é de clima ameno, mas a temperatura no campo tem chegado a 40 graus, o que leva à queda das flores e ao abortamento dos grãos."

Agricultores que irrigam a soja enfrentam outro problema: sem chuva, as minas e lagoas onde é feita a captação da água estão secando. Na região de Ourinhos, Vale do Paranapanema, lavouras inteiras amarelaram antes da hora sob o sol forte. "Não choveu o necessário e as vagens não encheram, é só palha", disse o agricultor Orlando Sartori.

O Estado de São Paulo não é grande produtor se soja, ocupa a oitava posição no País, mas a estiagem e o calor afetam também as lavouras do Paraná, segundo maior produtor. Segundo a pesquisadora Juliana Yaguchi, do Departamento de Economia Rural (Deral) da Secretaria da Agricultura, a área plantada no Estado, de 4,89 milhões de hectares, deveria produzir 16,5 milhões de toneladas, mas ela acredita que esse número será revisto para baixo. "A expectativa era de grande produtividade, mas já temos regiões sem chuva há 25 dias e o calor chega a 40 graus. Ainda não é possível mensurar, mas já há quebra."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.