An Rong Xu/The New York Times
An Rong Xu/The New York Times

Seca em Taiwan opõe agricultores e a indústria de chips de computadores

País tenta manter fornecimento de água para a produção de semicondutores, enquanto reduz fluxo para irrigação de arrozais; agricultores reclamam de falta de apoio do governo e pedem por condições melhores

Raymond Zhong e Amy Chang Chien, The New York Times

16 de abril de 2021 | 05h00

HSINCHU, TAIWAN - A modesta plantação de Chuang Cheng-deng está a uma pequena distância do centro nervoso da indústria de chips de computadores de Taiwan, que alimenta uma grande parte dos iPhones do mundo e outros aparelhos. Neste ano, Chuang vem pagando o preço pela importância econômica dos seus vizinhos de alta tecnologia. Por causa da seca e a luta para poupar água para residências e fábricas, Taiwan cortou a água para a irrigação de dezenas de milhares de hectares de terras de cultivo de arroz.

As autoridades estão indenizando os agricultores pela renda perdida. Mas Chuang, 55 anos, se questiona se a colheita comprometida poderá levar os clientes a buscar outros fornecedores, o que vai significar uma redução dos seus ganhos. “O governo usa o dinheiro para fechar a boca dos agricultores”, disse ele.

As autoridades dizem que esta é a pior seca no país em mais de meio século. E o problema expõe enormes desafios envolvidos na manutenção do setor de semicondutores da ilha, que é um centro cada vez mais indispensável na cadeia global de fornecimento de peças para smartphones, carros e outros artigos da vida moderna.

Os fabricantes de chips usam muita água para lavar suas fábricas e pastilhas de silício, que são a base dos chips. E com os suprimentos de semicondutores no mundo inteiro já pressionados pelo aumento da demanda, a incerteza com o fornecimento de água em Taiwan não deve diminuir as preocupações quanto a dependência do mundo da tecnologia de uma indústria de chips específica: a Taiwan Semicondutor Manufacturing Co. (TSMC).

Domínio

Mais de 90% da capacidade de manufatura do mundo no campo dos chips mais avançados estão em Taiwan, especificamente na TSMC, que produz matéria-prima para Apple, Intel e outras grandes marcas. Na semana passada, a companhia anunciou que vai investir US$ 100 bilhões nos próximos três anos no aumento da capacidade, o que vai fortalecer ainda mais sua presença já dominante no mercado.

A empresa diz que a seca não afetou sua produção até agora. Mas com as chuvas se tornando imprevisíveis e o setor de tecnologia crescendo, a ilha terá de se esforçar ao máximo para a água continuar jorrando.

Nos últimos meses, o governo usou aviões e queimou substâncias químicas para produzir nuvens sobre os reservatórios. Criou uma usina de dessalinização de água do mar em Hsinchu, onde está a sede da TSMC, e construiu um canal conectando a cidade com o norte mais chuvoso. Ordenou às empresas para reduzirem o uso de água. Em alguns locais, diminuiu a pressão da água e passou a cortar o fornecimento durante dois dias por semana. Algumas companhias, como a TSMC, usaram caminhões-pipa para trazer água de outros lugares.

Mas a medida mais radical foi o corte de água para irrigação que afeta mais de 74 hectares de terra de cultivo, cerca de um quinto das terras irrigadas do país. “A TSMC e o pessoal dessa área de semicondutores não ligam de modo nenhum para isto”, disse Tian Shou-shi, 73 anos, plantador de arroz em Hsinchu. “Nós só queremos viver honestamente”.

Defesa

Em entrevista, o vice-diretor do Departamento de Águas de Taiwan, Wang Yi-feng, defendeu as políticas adotadas pelo governo, dizendo que esse período de seca significa que a colheita seria ruim mesmo com o acesso à água para irrigação. Desviar a água já escassa para as fazendas, e não para as fábricas e residências, seria uma medida da qual todos sairiam perdendo, afirmou.

Indagado sobre as dificuldades dos agricultores, a porta-voz da TSMC, Nina Kao, disse que o uso da água é “muito importante” para as indústrias seguirem funcionando – ela citou o envolvimento da empresa num projeto para aumentar a eficiência da irrigação.

Em 2019, as instalações da TSMC em Hsinchu consumiram 63 mil toneladas de água por dia, segundo a companhia, ou mais de 10% de dois reservatórios locais, Baoshan e Baoshan Second Reservoir

A empresa reciclou mais de 86% da água usada nos seus processos de manufatura naquele ano e conservou 3,6 milhões de toneladas a mais do que no ano anterior. Mas esse volume ainda é pequeno diante dos 63 milhões de toneladas que consumiu em 2019.

Preço

O “maior problema” relativo à água é que o governo cobra uma tarifa muito baixa, disse Wang Hsiao-wen, professor de engenharia hidráulica na National Cheng Kung University.

Wang, do departamento de águas, disse que “ajustar os preços tem um grande impacto sobre os grupos mais vulneráveis da sociedade, de modo que, quando fazemos ajustes, somos extremamente cautelosos”. No mês passado, o primeiro-ministro declarou que o governo analisava uma cobrança de uma taxa extra das 1,8 mil fábricas do país com uso intensivo de água.

A região Sudoeste do país é um centro agrícola e também um centro industrial. As fábricas mais avançadas de chips estão na cidade de Tainan, ao sul de Taiwan.

Nas pequenas cidades agrícolas próximas de Tainan, muitos agricultores dizem que se contentam em viver com uma pequena ajuda do governo, pelo menos no momento. Eles arrancam as ervas daninhas dos seus campos ociosos, bebem chá com os amigos e passeiam de bicicleta.

Mas também estão pensando no seu futuro. A população taiwanesa parece ter decidido que o cultivo do arroz é menos importante, para a ilha e para o mundo, do que os semicondutores. As forças econômicas maiores, pelo menos, estão dizendo aos agricultores que está na hora de buscarem outro trabalho.

“Os fertilizantes estão cada vez mais caros. E também os pesticidas”, disse Hsien Tsai-shan, 74 anos, plantador de arroz. “Ser agricultor realmente é o que há de pior.”

País já cortou água para irrigação em 2004 e 2015

O fato de Taiwan, um dos locais com mais chuva no mundo desenvolvido, registrar uma escassez de água é um paradoxo que beira a tragédia.

Grande parte da água usada pelos moradores é fruto da passagem dos furacões que geralmente atingem o país no verão. Mas as tempestades trazem também resíduos do solo das terras montanhosas para os reservatórios, o que reduz aos poucos o volume de água que são capazes de acumular.

As chuvas também variam muito de ano para ano. E tufões provocaram deslizamentos de terra durante a temporada de chuvas do ano passado – a primeira vez que isso ocorreu desde 1964.

Taiwan cortou a água para irrigação para poupar água em 2015, e antes disso em 2004. “Se em dois ou três anos as mesmas condições aparecerem, então podemos dizer que Taiwan entrou definitivamente numa era de importantes racionamentos de água”, disse Jiing-yun, professor de engenharia civil na National Taiwan University. “No momento, temos de esperar para ver.”

As famílias em Taiwan usam em torno de 75 galões de água por pessoa diariamente, mostram dados do governo. Muitos europeus ocidentais usam menos do que isso, mas os americanos utilizam mais, de acordo com dados do Banco Mundial. /TRADUÇÃO DE TEREZINHA MARTINO

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.