Ações

Empresas de Eike disparam na bolsa após fim de recuperação judicial da OSX

Secex apura falsa declaração de origem de ácido cítrico

A Secretaria de Comércio Exterior do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (Secex/MDIC) publicou, nesta quarta-feira, 30, no Diário Oficial da União (DOU) portaria que encerra investigação que apurou falsa declaração de origem nas importações de ''ácido cítrico'' e ''citrato de sódio'' da empresa indiana Salicylates and Chemicals PVT. Os produtos alvo da investigação são classificados nos códigos 2918.14.00 e 2918.15.00 da Nomenclatura Comum do Mercosul (NCM).

LUCI RIBEIRO, Agencia Estado

30 de abril de 2014 | 09h21

A apuração foi instaurada em novembro do ano passado. O resultado da investigação mostra que, de acordo com a Lei nº 12.546/2011, os produtos não cumprem as condições necessárias para serem considerados originários da Índia. Como consequência, a Secex indeferiu as licenças de importação solicitadas pelos importadores brasileiros referentes aos dois itens fabricados pela empresa, usados principalmente na indústria alimentícia.

A aplicação principal do ácido cítrico é na fabricação de bebidas em pó, refrigerantes, sucos, balas, vinhos, óleos, gorduras, medicamentos e cosméticos. Na indústria têxtil, é utilizado como alvejante. O citrato de sódio é o sal de sódio obtido a partir do ácido cítrico, normalmente utilizado para preservação dos alimentos, como agente flavorizante, estabilizante, sequestrante ou tamponante. É utilizado na fabricação de bebidas isotônicas, bebidas em pó, leite longa vida, queijos fundidos e indústria farmacêutica.

Em fevereiro, a Secex havia constatado também falsa declaração de origem nas importações dos mesmos produtos envolvendo outra empresa indiana, a Posy Pharmachem PVT. Na ocasião, também foram indeferidas as licenças de importação solicitadas por brasileiros que pretendiam comprar os dois itens dessa empresa.

Tudo o que sabemos sobre:
ácido cítricoSecex

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.