finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Secovi não quer sobretaxa para condomínios

Revoltados com as medidas de racionamento para os condomínios, representantes do Sindicato das Empresas de Compra, Venda e Locação de Imóveis Residenciais e Comerciais do Estado de São Paulo (Secovi-SP) pretendem enviar hoje documento ao governo pedindo a isenção de sobretaxa e de corte de energia aos condomínios residenciais e comerciais. As medidas foram propostas em debate promovido pelo Secovi ontem com representantes das distribuidoras de energia e administradores de condomínio. Em relação à não aplicação da sobretaxa sobre o consumo além da meta governamental, o texto apresentará pelo menos seis argumentos. O primeiro é de que a sobretaxa não tem base legal. Segundo o advogado Arystobulo de Freitas, membro da Comissão de Defesa do Consumidor da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), a concessão de serviços públicos baseia-se no princípio da modicidade, isto é, as tarifas têm de ser baixas e acessíveis. "O governo está desrespeitando esse princípio com o tarifaço, por isso, não tenho dúvidas sobre a ilegalidade da medida", disse. A segunda razão é que os condomínios devem ser encarados como unidades pluri-residenciais e não podem ser comparados a imóveis unifamiliares. Desta forma, as metas de redução de consumo e as faixas a partir das quais ambos serão sobretaxados criam uma situação desigual. A proposta do Secovi-SP é criar faixas de consumo específicas para os condomínios, em função do número de unidades residenciais envolvidas. "Isso estenderia as faixas de consumo", disse o diretor de Relações com Órgãos Públicos do Secovi- SP, Ivan de Carvalho. Outro motivo para se refutar a sobretaxa é seu impacto sobre os gastos condominiais, que se refletirá na inflação. Cálculos da entidade avaliam que a sobretaxa pode onerar em até 18% as taxas condominiais. Os administradores também afirmam que a cobrança punirá duplamente os consumidores, já que poderão ser sobretaxados em relação a seu consumo doméstico e ao das áreas comuns dos edifícios. O penúltimo motivo é a necessidade de se garantir a segurança dos condôminos, o que implica manter em funcionamento aparelhos como circuitos de TV, bombas de incêndio e outros. A sexta razão é o possível aumento da inadimplência no pagamento das taxas condominiais, caso fossem oneradas pela punição.

Agencia Estado,

29 de maio de 2001 | 11h56

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.