Secovi-SP prevê queda de 25% na venda de imóvel

Baixo crescimento da economia afetou o mercado imobiliário, que deve encolher este ano

CIRCE BONATELLI, O Estado de S.Paulo

28 de agosto de 2014 | 02h03

O cenário de baixo crescimento da economia brasileira afetou o mercado imobiliário, que deve diminuir na comparação com o ano passado, de acordo com novas projeções do Sindicato da Habitação de São Paulo (Secovi-SP).

O presidente da entidade, Cláudio Bernardes, informou, em entrevista ao Broadcast, serviço em tempo real da Agência Estado, que a expectativa é de redução de 25% nas vendas de imóveis residenciais novos e de queda de 20% nos lançamentos de projetos na capital paulista este ano em relação a 2013.

No início do ano, o Secovi-SP afirmou que esperava estabilidade do mercado, com lançamentos e vendas neste ano em quantidade parecida com as do ano passado.

Segundo pesquisa do sindicato, as vendas na capital paulista totalizaram 9.054 unidades no primeiro semestre, o que representa queda de 48,3% na comparação com as 17,5 mil unidades comercializadas no mesmo período de 2013. Os lançamentos atingiram 11,36 mil unidades entre janeiro e junho, queda de 18,8% diante das 13.983 unidades lançadas nos mesmos meses do ano passado.

"A economia está no fundo do poço", disse Bernardes. Na avaliação do executivo, o volume de negócios menor reflete a deterioração do Produto Interno Bruto (PIB), a baixa velocidade de vendas durante a Copa e a falta de confiança de consumidores e empresários em fechar vendas e lançamentos diante do cenário de incerteza com a proximidade das eleições.

Para os próximos meses, Bernardes acredita que o mercado imobiliário tende a se recuperar, pois o segundo semestre costuma ser melhor para os negócios do que os primeiros meses do ano. "Mas não vai ser uma recuperação suficiente para compensar as quedas acumuladas até aqui no ano", estimou.

Reivindicações. Na convenção de empresários do mercado imobiliário, realizada ontem pelo Secovi, o que dominou as discussões foi exatamente a questão política. Cláudio Bernardes anunciou que enviará um documento aos candidatos à Presidência da República com as principais reivindicações e dificuldades do setor que poderiam ser resolvidas no âmbito do governo federal e legislativo.

"O próximo governo, quem quer que seja, vai precisar colocar o País de volta nos trilhos", afirmou, diante de um auditório com aproximadamente 200 empresários e representantes de associações. Durante sua palestra, o presidente do Secovi-SP fez várias críticas ao ambiente para investimentos e aos entraves enfrentados pelas companhias de construção. Ele citou insegurança jurídica, complexidade de leis trabalhistas e excesso de burocracia para o desenvolvimento de projetos.

Bernardes também reclamou da demora nas reformas política e tributária, cuja discussão se arrasta há tempos, na sua avaliação. Do ponto de vista macroeconômico, foi mencionado o baixo crescimento do PIB, a inflação alta e o crescente deficit público. "É preciso voltar a confiar no Brasil", disse.

As críticas também se estenderam à política internacional do governo federal. "É preciso reavaliar a política externa. Não se pode pautar por questões ideológicas", afirmou. Bernardes encerrou sua palestra pedindo respeito aos empresários. "Esse pequeno pedaço da população, muitas vezes chamado de elite no sentido pejorativo, é responsável por geração de empregos e riqueza para o País."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.