Secretário da Agricultura descarta reversão do acordo da soja

O secretário de Defesa Agropecuária do Ministério da Agricultura, Maçao Tadano, descartou hoje a possibilidade do governo chinês voltar atrás e não assinar o acordo que permitiu a retomada das vendas de soja do Brasil para a China. A expectativa do secretário é que a publicação do documento que permitiu a retomada das vendas de soja brasileira para a China seja publicado "o mais rápido possível". A concretização do acordo depende de publicação do documento no diário oficial do governo da China.Ele informou que as empresas vão arcar com os prejuízos provocados pela recusa do governo da China em receber navios de soja. "Todos os empresários sabem que o dono da carga é responsável pelo ônus do contrato e pela carga que está num navio", afirmou. O secretário reafirmou que a missão brasileira que está na China é técnica e que não foram discutidas questões comerciais.Tadano enfatizou que o governo da China vai definir regras para amostragem e inspeção nos carregamentos de soja brasileira que foram enviados ao país. Em entrevistas a jornalistas brasileiros, ele, que está em Pequim, disse as regras brasileiras estão fixadas na Instrução Normativa 15, do dia 11 de junho. Para o secretário, a definição da metodologia chinesas não vai atrapalhar o descarregamento das cargas brasileiras nos portos da China. Ele calculou que cerca de 20 navios estão em trânsito para o mercado chinês.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.