Secretário da Previdência prevê mudança em perfil de fundos

O perfil das carteiras de investimento dos fundos de pensão, que hoje somam cerca de R$ 240 bilhões de patrimônio, deve se modificar com a queda de juros, segundo o secretário de Previdência Complementar do Ministério da Previdência, Adacir Reis."A tendência é de diversificação de investimentos com canalização de recursos para a atividade produtiva e a capitalização de empresas", disse Reis em palestra aos associados do Instituto Brasileiro de Executivos de Finanças (Ibef). Atualmente, 61% das carteiras dos fundos estão em renda fixa, 27,7% em renda variável, cerca de 7% em imóveis e em torno de 4% em empréstimos a participantes, afirmou.A modificação que deve vir da "tendência consistente de queda de juros" fortalece a discussão sobre governança corporativa das empresas, considera o secretário. De acordo com ele, no passado, "o fundo de pensão virou um doador passivo de capital" e "hoje isso não é mais aceitável". Ele observou que já houve casos de empresas que não deixavam o fundo ter acesso à sua contabilidade. "Hoje o fundo quer discutir o padrão contábil adotado pela empresa ou o empreendimento". Reis afirmou que a SPC vai aprovar recomendação para todos os fundos de pensão com regras de controles internos. "Os fundos de pensão precisam ter mecanismos de gerenciamento de risco", afirmou. Regras nesse sentido devem ser divulgadas pela SPC em maio.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.