Secretário da Receita critica relatório do FMI

O secretário adjunto da Receita Federal, Ricardo Pinheiro, criticou o relatório do Fundo Monetário Internacional (FMI), divulgado esta semana, condenando o Brasil por não adotar medidas de combate à lavagem de dinheiro. Pinheiro defendeu o trabalho da Receita Federal e lembrou que nenhum outro país tem um mecanismo de controle fiscal como a CPMF. "Quantos e quantos laranjas já não foram descobertos com base na CPMF. Acontece que, em vez de ficar fazendo relatório à distância sem conhecimento de caso, como determinadas instituições, a gente trabalha, mostra resultado, mas infelizmente, dado o sigilo necessário do ponto de vista fiscal, nós não divulgamos", afirmou.Para o secretário, os sigilos bancário e fiscal protegem "um bem maior que é o direito de imagem das pessoas". "Ninguém tem nada a ver com isso exceto às autoridades constituídas", defendeu. O documento do FMI, que faz parte do banco de dados do fundo, foi elaborado pelo Grupo de Ação Financeira Internacional (Gafi), criado em 1989 pelo G7 (grupo dos países mais industrializados) para combater o crime de lavagem de dinheiro.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.