Joshua Roberts/ REUTERS
Joshua Roberts/ REUTERS

ESG

Coluna Fernanda Camargo: É necessário abrir mão do retorno para fazer investimentos de impacto?

Secretário de Comércio dos EUA elogia planos de infraestrutura do governo brasileiro

Wilbur Ross disse que investidores podem ficar menos nervosos porque governo brasileiro está 'começando a se mover'

Lorenna Rodrigues, O Estado de S.Paulo

01 de agosto de 2019 | 14h14

BRASÍLIA - O secretário de Comércio dos Estados Unidos, Wilbur Ross, disse que o governo brasileiro está “começando a se mover” e que os investidores podem ficar menos nervosos.

“Este é um governo que está começando a se mover, isso é muito importante. Para vocês que estavam nervosos [em investir], eu estaria menos nervoso aqui no Brasil do que em alguns outros lugares”, disse, em seminário sobre infraestrutura em Brasília.

Depois de se reunir com o ministro de Infraestrutura, Tarcísio Freitas, Ross elogiou os planos do brasileiro para a área. “Fiquei muito impressionado com o nível de detalhe do plano do ministro Tarcísio e com o fato de que ele tem planos de muito curto prazo vindo por aí”, acrescentou.

Em um momento de aproximação entre os governos do Brasil e do Mercosul com os Estados Unidos, Ross disse que os EUA querem ser o “parceiro preferencial” para a região. Ele citou negociações em curso para questões como padronização técnicas e de regras aduaneiras “Estamos tratando de facilitação de comércio para apressas a movimentação e liberação de bens”, acrescentou.

Ele afirmou que a América Latina tem cerca de 1.700 projetos de grande escala e que os governos da região estão cada vez mais buscando o setor privado para investimentos. “A participação dos EUA na infraestrutura foi limitada no passado, apesar do papel do país na região. Há uma desconexão”.

Entre os fatores que afastam as companhias norte-americanas da América Latina está a burocracia e a corrupção.

Memorando. Após a fala de Ross, EUA e Brasil assinaram um memorando de entendimento para facilitar negócios e investimentos. A assinatura, pelo lado norte-americano, coube à Overseas Private Investment Corporation (OPIC), agência de fomento de investimentos em mercados emergentes, e, pelo lado brasileiro, de representantes da secretaria especial do Programa de Parcerias de Investimentos (PPI).

A intenção do memorando é facilitar e estimular negócios e investimentos dos Estados Unidos em projetos brasileiros.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.