Ministério da Fazenda
Ministério da Fazenda

Secretário do Tesouro afirma que, se diluída, reforma não refletirá crescimento esperado no PIB

Para Mansueto Almeida, o tamanho da economia vai depender da base que o governo construir para aprovar o projeto

Francisco Carlos de Assis, O Estado de S.Paulo

18 de abril de 2019 | 11h30

O secretário do Tesouro Nacional, Mansueto Almeida, disse, nesta quinta-feira, 18, que, se a reforma da Previdência for desidratada, não haverá crescimento esperado para o Produto Interno Bruto (PIB).

Para ele, o clima pró-reforma das regras das aposentadorias hoje é muito mais favorável do que era em 2016 e 2017. Por isso, acredita, a reforma passa, mas o tamanho da economia vai depender da base que o governo construir para aprovar o projeto.

"O debate pra valer da Previdência, de méritos, começa agora na Comissão Especial. É a partir daí que vamos saber de fato o tamanho da economia", afirmou a uma plateia de empresários e investidores franceses no Brasil em evento que a Câmara de Comércio França-Brasil, em São Paulo.

Crédito direcionado

Segundo o secretário, a Previdência contribuirá também para reduzir o crédito direcionado na economia.  “A redução do crédito direcionado é uma medida interessante já que ele contribui para diminuir a potência da política monetária. Mas isso se daria num cenário em que junto com a aprovação das reformas, em especial da Previdência, consolidando o quadro de juros nominais baixos”, resumiu.

Na verdade, de acordo com Mansueto, "a gente já está em um cenário muito diferente de juros. Hoje quando o mercado fala em aumento de juro, fala em 7,5%, 8%. Ninguém mais fala em Selic de 10%, 11%".

"Então se aprovarmos a reforma e consolidarmos o cenário de juros baixos, naturalmente o mercado será aberto para várias outras coisas [investimentos] sem precisar de muito crédito direcionado", afirmou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.