Dida Sampaio|Estadão
Dida Sampaio|Estadão

Juros

E-Investidor: Esperado, novo corte da Selic deve acelerar troca da renda fixa por variável

Secretários pedem legislação federal para teto de gastos

Fazendas estaduais alegam que ausência de um ‘guarda-chuva’ federal para a regra que limita alta de despesas fragiliza o ajuste

Idiana Tomazelli e Rachel Gamarski, O Estado de S.Paulo

06 de agosto de 2016 | 05h00

BRASÍLIA - Temendo dificuldades políticas para conter o crescimento de suas despesas, governadores e secretários estaduais de Fazenda pedem o respaldo de uma legislação federal ou, de preferência, da Constituição Federal. Eles querem que seja incluído na Proposta de Emenda Constitucional (PEC) 241 um dispositivo que estenda aos Estados a regra que limita o crescimento das despesas da esfera federal à variação da inflação.

A aplicação da regra do teto aos Estados é um ponto que o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, considera “inegociável” como contrapartida ao socorro financeiro que está sendo concedido pelo Tesouro Nacional aos Estados endividados. Mas, no entendimento da Fazenda, não é necessária uma legislação federal para que o teto vigore nos Estados.

Do ponto de vista jurídico, o acordo sobre as dívidas homologado pelo Supremo Tribunal Federal (STF) já é suficiente. Os próprios contratos de renegociação das dívidas já preveriam essa limitação. Adicionalmente, defende a pasta, os Estados deverão aprovar legislações locais prevendo o teto.

Mas, do ponto de vista dos Estados, a ausência de um “guarda-chuva” federal para o teto nos Estados deixa o ajuste frágil. “Desde o início, a tese era de que os Estados teriam muita dificuldade de aprovar uma legislação sem o comando federal”, afirmou o secretário estadual de Fazenda de São Paulo, Renato Villela, para quem a PEC seria o melhor instrumento. “Minha preocupação é que, sem isso, a medida de alívio nos Estados não vai ficar completa.”

“A gente queria amarrar isso para garantir o cumprimento. Se não, será uma nova luta”, confirmou a secretária de Fazenda de Goiás, Ana Carla Abrão.

O secretário estadual de Fazenda de Santa Catarina, Antonio Gavazzoni, afirmou que os Estados até podem revisar seus Programas de Reestruturação e Ajuste Fiscal (PAFs) acordados com o Tesouro Nacional para incluir o limitador de despesas. Mas colocar isso sob um guarda-chuva federal daria mais segurança. “Lei estadual é tiro no pé, a chance de não aprovar isso é grande”, disse.

Diante da pressão dos Estados, o Ministério da Fazenda informou anteontem que o governo apresentará uma emenda à PEC 241 para incluí-los na regra do teto, em caráter de “reforço”. Ela também estará prevista no projeto de lei complementar (PLP) 257, que trata da renegociação das dívidas estaduais.

É também em busca de respaldo na legislação federal que os secretários estaduais de Fazenda querem incluir, no PLP 257, que altera a Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF), regras para o cálculo do valor das folhas salariais. Eles pretendiam deixar claro que essa conta deve incluir os gastos com terceirizados, inativos, indenizações, benefícios e despesas de exercícios anteriores. Mas as negociações desta semana afrouxaram parte dessas regras e isso só foi parcialmente revertido anteontem. A expectativa é que as negociações sejam concluídas na próxima segunda-feira.

Para uma fonte consultada pelo Broadcast, sistema de notícias em tempo real do Grupo Estado, chega a ser temerário que o governo federal imponha um teto de gastos aos governos estaduais sem dar condições de que isso seja cumprido. “Meu medo é que não vai adiantar muito uma PEC para o teto de gastos se não houver ferramentas para controlar despesas”, afirmou a fonte. “Pelo fato de a definição ser falha, isso não permitiu o controle efetivo.”

Os Estados entendem que é possível se adequar ao teto de gastos, mas as contrapartidas permitiriam fazer isso de forma “mais ordenada”, sem que o arrocho fique restrito a gastos com investimentos.

Também surpreendeu a rapidez e a celeridade com que os parlamentares conseguiram desidratar o projeto. Há quem classifique a postura do governo federal como “inocente” e “amadora”, pois bastaram dois dias para que praticamente todas as contrapartidas fossem retiradas do texto que tramita no Congresso Nacional. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.