Werther Santana/Estadão
Werther Santana/Estadão

Após acusação de desvio de recursos, ação da Gafisa recua 6%

Acusação foi feita pela Polo Capital Securitizadora, empresa que é titular de créditos imobiliários emitidos pela construtora

Fernando Nakagawa, Cynthia Decloedt e Circe Bonatelli, O Estado de S.Paulo

06 de fevereiro de 2019 | 17h32
Atualizado 06 de fevereiro de 2019 | 22h47

A Gafisa viu seus papéis registrarem forte baixa nesta quarta-feira, 6, na B3 – nova denominação da Bolsa paulista –, após a companhia, que está sob administração da gestora de recursos GWI desde setembro passado, ser acusada por uma securitizadora de desvio de recursos. O papel da construtora caiu 6,54%, a R$ 13,01.

Segundo a Polo Capital Securitizadora, que comprou dívidas da Gafisa e teria o direito de receber parte dos valores pagos pelos clientes da companhia, a construtora enviou, neste mês, novos boletos de cobrança a clientes em que listava seus próprios dados bancários, em vez dos relativos à Polo Capital. O total, segundo fontes próximas ao caso, seria de R$ 1,8 milhão. 

Em fato relevante divulgado ontem, a Polo Capital apontou “descumprimento de obrigações de gestão e cobrança dos créditos prevista nos contratos de cessão firmados entre as partes”. Com a alteração dos boletos, a Polo Capital diz que “a Gafisa passou a receber indevidamente os créditos de compradores de imóveis de titularidade da securitizadora”. 

Segundo fontes de mercado, há cerca de R$ 300 milhões em Certificados de Recebíveis Imobiliários (CRI) emitidos pela Gafisa. Não há detalhes sobre qual parcela foi securitizada pela Polo Capital.

A Gafisa informou, por meio de nota distribuída à imprensa, que está “tomando as medidas cabíveis” em relação à acusação de ter se apropriado indevidamente de créditos de compradores de imóveis que deveriam ser usados para remunerar operação de securitização.

Controle

Desde que a GWI assumiu o comando da Gafisa, em setembro de 2018, a empresa realizou demissões, deixou de pagar fornecedores e passou a buscar a renegociação de contratos que considera pouco vantajosos. A gestora tem a tradição de entrar em negócios em dificuldades, como na Saraiva.

Nos últimos meses, a GWI aumentou sua fatia de 37,3% para 48,7%. O apetite chamou a atenção do mercado, já que a Gafisa está no vermelho. No ano passado, o prejuízo chegou a R$ 122,5 milhões até setembro. Em 2017, a perda foi de R$ 849,8 milhões.

A compra das ações contraria recomendações de analistas de BB Investimentos, Bradesco BBI, BTG Pactual, Credit Suisse e Itaú BBA, que não veem fundamentos para valorização do papel acima da média do mercado./ CYNTHIA DECLOEDT, FERNANDO NAKAGAWA e CIRCE BONATELLI

Mais conteúdo sobre:
Gafisa

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.