Segmento de Telecomunicação lidera inadimplência em julho

O segmento de Telecomunicação foi novamente líder em inadimplência no mês de julho, segundo pesquisa realizada pela Telecheque. Embora o volume de cheques devolvidos no segmento tenha apresentado queda de 8% em relação ao do mês de junho (5,98%), o índice de inadimplência nas lojas de linhas e aparelhos telefônicos ficou em 5,5%.Para medir a inadimplência, a Telecheque considera os valores das transações com cheques e não a quantidade de cheques devolvidos. Segundo a empresa, a partir de agora, a inadimplência no segmento de telecomunicação deve se estabilizar no número verificado em julho pelos próximos três meses."Já com o começo das compras de Natal e maior procura por celulares, principalmente, a tendência é de que o volume de cheques devolvidos nesse segmento volte a crescer", ressalta o vice-presidente da Telecheque, José Antônio Praxedes Neto, explicando que a crescente popularização do telefone celular entre os consumidores, com destaque para os de menor renda, é um dos principais motivos que levam a altos índices de inadimplência nesse segmento.A pesquisa da Telecheque constatou que o segundo pior desempenho no ranking por segmento ficou por conta do ramo de cosméticos e perfumarias, com índice de inadimplência de 5,27%, superior 0,8% no comparativo com junho. Em seguida ficou o segmento de calçados esportivos, que apresentou índice de cheques devolvidos de 3,58%, maior 21% em relação ao mês anterior.Lazer tem menor índiceO segmento com melhor desempenho no mercado varejista foi o de Lazer, Termas, Cinemas, Teatros e Boates, onde 99,5% do total de transações com cheques foram honradas e o índice de inadimplência foi de apenas 0,23%. Em seguida ficaram o ramo de Máquinas e Peças, com 98,75% de transações com cheques honradas e índice de inadimplência de 1,25%, e o de Materiais de Construção e Comércio de Ferragens, que apresentou índice de cheques honrados de 98,54% e inadimplência de 1,17%.A Telecheque destacou também o desempenho de segmentos considerados de consumo básico, como Supermercados, com índice de cheques devolvidos de 1,88% em julho, 6,5% inferior em relação ao do mês de junho. Já nos Postos de Gasolina, a inadimplência foi de 1,82% e ficou no mesmo patamar da registrada em junho. Segundo a empresa, o resultado mostra recuperação do poder de compra, em virtude do aumento do emprego formal, que remete a "boas perspectivas" para o restante do ano.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.