finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Segundo lote da rodada da ANP tem 8 blocos vendidos

Empresas de menor porte foram as que mais disputaram o negócio, considerado de baixo investimento

Kelly Lima, da Agência Estado,

27 de novembro de 2007 | 12h10

O segundo lote oferecido pela Agência Nacional do Petróleo (ANP) na Nona Rodada, em área terrestre na Bacia do Espírito Santo, teve arrematados oito blocos de um total de dez ofertados. A arrecadação total do bônus de assinatura neste lote foi de R$ 4 milhões, e os investimentos previstos para esta área são de R$ 33,15 milhões. As empresas de menor porte foram as que mais disputaram o negócio, considerado de baixo investimento. Veja também:Doze blocos são arrematados na 9ª rodada, por R$ 959 milhões A BrazAlta, empresa estreante em leilões da ANP, arrematou três áreas (ES-318, ES-362 e ES-380) com bônus de assinatura de R$ 115 mil. Outra estreante, a Vitória Ambiental, levou duas áreas (ES 391 e ES 392), com bônus de R$ 2 milhões. A Petrobras entrou na disputa apenas como parceira da Starfish, empresa que será operadora dos blocos ES 401 e ES 410, arrematados no segundo lote do leilão da ANP, com bônus de assinatura de R$ 915 mil. O último bloco deste lote, ES 400, foi vencido pela também estreante Lábrea, com bônus de R$ 1 milhão.  Vale A Companhia Vale do Rio Doce estreou em leilões da ANP arrematando quatro áreas de exploração na bacia de Pará-Maranhão, em parceria com a Petrobras (40% - operadora) e Ecopetrol (30%). Os blocos fazem parte do terceiro lote ofertado pela agência reguladora. Nesta disputa, foram disponibilizados 40 blocos, sendo apenas cinco arrematados - por um total de bônus de assinatura de R$ 6,74 milhões. Deste total, o consórcio envolvendo a Vale, Petrobras e Ecopetrol pagou R$ 5,291 milhões. O quinto bloco foi levado pela OGX, por R$ 1,448 milhão.  Entenda a Rodada A 9ª Rodada de licitações de áreas para exploração e produção de petróleo e gás natural realizada pela Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) possui 67 empresas habilitadas, sendo 32 brasileiras e 35 de origem estrangeira. O maior número registrado anteriormente foi de 44 empresas, na 7ª Rodada. As estreantes em rodadas são 19, sendo 10 brasileiras. Pela primeira vez, uma rodada conta com participantes dos cinco continentes. É consenso entre especialistas que a exclusão das 41 áreas da camada pré-sal, na qual foram descobertas recentemente jazidas de petróleo, reduziu o interesse dos investidores pelo leilão. É possível que muitas empresas esperem a retomada da 8ª Rodada, prevista para 2008, que ainda terá áreas na chamada faixa pré-sal. Serão oferecidos 271 blocos em 14 setores, totalizando 73.078,70 km² em áreas de elevado potencial, novas fronteiras e bacias maduras. As áreas em oferta abrangem 9 bacias sedimentares: Campos, Espírito Santo, Pará-Maranhão, Parnaíba, Pernambuco-Paraíba, Potiguar, Recôncavo, Rio do Peixe e Santos. Aproximadamente 40% dos blocos são de elevado potencial: 111, sendo 94 na Bacia de Santos e 17 na Bacia de Campos. Em novas fronteiras, serão 98 blocos: 69 marítimos, nas bacias Pará-Maranhão (50), Espírito Santo (6), Pernambuco-Paraíba (13), e em terra, 29, nas bacias de Parnaíba (10) e Rio do Peixe (19). Em bacias maduras terrestres serão 62 blocos nas bacias do Espírito Santo (10), Potiguar (20) e Recôncavo (32).

Tudo o que sabemos sobre:
9ª Rodada da ANP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.