ANDRE DUSEK/ESTADAO
ANDRE DUSEK/ESTADAO

Governo já admite previsão para o PIB perto de 2,5%

O ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha, também disse que o governo e a Petrobrás só terão condições de falar sobre contrato de cessão onerosa da Petrobrás na próxima semana

Luci Ribeiro, O Estado de S.Paulo

17 Maio 2018 | 16h19

BRASÍLIA - O ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha, admitiu nesta quinta-feira, 17, que o governo trabalha com uma previsão "conservadora" para a alta do PIB, ficando perto de 2,5% e não precisamente em 3%, como inicialmente estimado.

+ Com foco do governo em segurança, agenda econômica fica emperrada

"Nesse primeiro trimestre, não tivemos o crescimento esperado e nós do governo, de forma conservadora, estamos mantendo uma posição que tínhamos lá no final do ano passado, início do ano. Nossa previsão é que o PIB fique entre 2,5% e 3%", disse durante entrevista aos jornalistas de agências internacionais. 

"Hoje, se a análise fosse feita hoje, nós teríamos uma tendência de uma projeção mais para a direção dos 2,5%, mas ainda há casas falando em 2,7%, 2,8%. Nós do governo, preferimos não trabalhar com números superiores a 2,5%".

Petróleo. O ministro da Casa Civil também falou que a Petrobrás só terão condições de falar sobre os termos da revisão do contrato de cessão onerosa na próxima semana. Aos jornalistas estrangeiros, Padilha destacou que os trabalhos da comissão criada para tratar do tema estão avançados, mas que ainda não foram concluídos.

"Devo dizer que os trabalhos do grupo de trabalho que reúne os interesses da Petrobrás e do governo estão bastante avançados, avançaram muito, nós temos poucos tópicos a serem ainda elucidados", disse. "Mas, infelizmente, não posso antecipar nada porque acabo prejudicando o trabalho do grupo de trabalho e o sigilo que deve ser mantido com relação a esse tópico", acrescentou. O prazo formal para a conclusão das negociações no âmbito da comissão termina hoje. No entanto, Padilha destacou que o posicionamento do grupo sobre o tema só será mesmo definido na próxima semana.

"Na semana que vem, o grupo de trabalho deve ter concluído o que seja a sua posição e, aí, sim, nós poderemos fazer um comunicado conjunto, Petrobrás e governo, para comunicarmos à sociedade e ao mercado quais foram as conclusões quanto à cessão onerosa", afirmou. "Temos todo o interesse de manter todos informados. Na próxima semana, nós teremos condições de dar as informações", reforçou. 

O relatório final da comissão ainda terá que ser submetido ao Conselho Nacional de Política Energética (CNPE), ao Conselho de Administração da Petrobrás e ao comitê de acionistas minoritários da estatal. Embora a comissão de negociação seja técnica, foi o próprio governo que criou a expectativa de um anúncio hoje, quando termina o prazo de funcionamento do grupo de trabalho.

Antes de abrir para perguntas, Padilha fez um balanço dos dois anos do governo Temer. Segundo o ministro, muita coisa foi feita nesse período. Ele destacou como conquistas as reformas trabalhista e do Ensino Médio.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.