Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

Seguradora SulAmérica estuda listar seus papéis nos EUA

Principais executivos da empresa vão apresentar o balanço de 2010 a investidores americanos no dia 13 de abril

Altamiro Silva Junior, O Estado de S.Paulo

25 de fevereiro de 2011 | 00h00

A SulAmérica estuda lançar American Depositary Receipts (ADRs) nos Estados Unidos, segundo o vice-presidente corporativo e de Relações com Investidores da seguradora, Arthur Farme D"Amoed Neto. "A listagem dos papéis lá fora é uma forma de aumentar a visibilidade da seguradora no mercado internacional", diz o executivo.

Uma das possibilidades é lançar em um primeiro momento o ADR Nível 1, que só permite listagem no mercado de balcão. Em seguida, após o investidor americano conhecer melhor a empresa, a SulAmérica poderia fazer uma listagem no Nível 2 da Bolsa de Nova York, que permite captar recursos nos EUA.

Para o executivo, uma das vantagens de estar em bolsas no exterior é que o investidor estrangeiro pode aplicar sem vir ao Brasil. Isso ganha peso em momentos como o atual, em que o governo eleva tributos para evitar a queda do real e fica mais caro para o estrangeiro aplicar aqui.

Dentro da estratégia de aumentar a visibilidade internacional, os principais executivos da seguradora vão apresentar o balanço de 2010 a investidores nos EUA. No dia 13 de abril, a empresa fará um "SulAmérica Day" em Nova York, seu primeiro evento do tipo no exterior.

Parcerias. No mercado brasileiro, a SulAmérica resolveu apostar na venda de seguros a baixos preços por meio de parcerias e criou uma diretoria apenas para o segmento, conhecido como "affinity". O presidente da seguradora, Thomaz Cabral de Menezes, avalia que a área é uma das que têm maior potencial de expansão com o aumento do emprego e da renda, principalmente para seguros de acidentes, vida, residenciais e planos odontológicos.

Segundo Menezes, esse tipo de operação estava disperso, misturado a outras carteiras. A SulAmérica tem cerca de 20 parcerias, que oferecem seguros em 16 mil pontos de atendimento. Outra estratégia é fechar acordos com concessionárias de veículos, para a venda do seguro no momento da compra do carro.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.