Seguradoras firmam posição contra criação de nova estatal

BRASÍLIA

, O Estado de S.Paulo

20 de julho de 2010 | 00h00

Impasse marca as negociações entre o governo e as seguradoras privadas em torno do projeto de lei que cria a Empresa Brasileira de Seguros (EBS). Após reunião no Ministério da Fazenda, o diretor da Confederação Nacional das Empresas de Seguros Gerais, Previdência Privada, Vida e Capitalização (CNSeg), Alexandre Malucelli, afirmou que o setor não abre mão da posição contrária à criação da EBS. Segundo ele, as empresas do setor vão continuar pressionando politicamente contra a estatal.

O Ministério da Fazenda, no entanto, não deu sinais de que vai recuar da proposta que foi incluída no pacote de estímulo às exportações, anunciado em maio passado. Malucelli e outros representantes da CNSeg estiveram reunidos por mais de uma hora com o secretário-adjunto de Política Econômica do Ministério da Fazenda, Dyogo Oliveira.

O dirigente da CNSeg, vice-presidente da J. Malucelli (maior seguradora da América Latina), disse que o setor propôs a criação de um fundo, formado por fundos estatais garantidores de crédito e a ser administrado pelo BNDES, como alternativa à seguradora estatal proposta pelo governo / ADRIANA FERNANDES

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.