Marcelo Camargo/ Agência Brasil
Marcelo Camargo/ Agência Brasil

finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Seguradoras não foram comunicadas sobre uso de R$ 4,5 bilhões do DPVAT

Valor faz parte de pacote de medidas emergenciais anunciadas pelo Ministério da Economia nesta segunda

Patrik Camporez, O Estado de S.Paulo

16 de março de 2020 | 22h10

BRASÍLIA - O grupo de empresas que administra o DPVAT foi pego de surpresa, na noite desta segunda-feira, 16, com a promessa do ministro da Economia, Paulo Guedes, de liberar R$ 4,5 bilhões de um fundo mantido pelas seguradoras para usá-lo no combate ao novo coronavírus. Em nota encaminhada ao Estadão/Broadcast, a seguradora Líder, consórcio que administrava os recursos, informou que "ainda não conhece os detalhes da medida e, por essa razão, aguardará a divulgação de seu teor para comentar".

Desde novembro do ano passado, quando o governo de Jair Bolsonaro anunciou o fim do seguro obrigatório cobrado no licenciamento de veículos, seguradoras e o Ministério da Economia têm travado uma disputa pelo fundo, que é uma sobra das parcelas anuais pagas pelos segurados.

O governo tem dito que, com o fim do DPVAT, o dinheiro pertence ao Sistema Único de Saúde (SUS). Já as seguradoras chegaram a afirmar que o governo estaria querendo fazer uma "expropriação" de dinheiro privado.

O valor de R$ 4,5 bilhões anunciado por Guedes está dentro de um pacote de R$ 147,3 bilhões em medidas emergenciais que serão empregados para socorrer setores da economia e grupos de cidadãos mais vulneráveis, além de evitar a alta do desemprego. Desse valor, R$ 83,4 bilhões devem ser destinados à população mais pobre e mais idosa.

Em dezembro do ano passado, o Estadão/Broadcast revelou que, após decidir acabar com o seguro, o governo se preparava para travar a briga judicial para ficar com o fundo

Em novembro, Bolsonaro assinou Medida Provisória (MP) extinguindo o "seguro obrigatório" para veículos a partir de 2020. O benefício garantia indenização de até R$ 13,5 mil em casos de morte, invalidez permanente ou despesas médicas por acidentes de trânsito dentro do território nacional causado por veículo registrado no Brasil.   

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.