Seguro de veículo usado está mais caro em SP

O aumento do preço dos veículos e o crescente índice de roubos e furtos de carros em São Paulo são dois fatores essenciais que contribuíram para o aumento do prêmio do seguro de carros usados no início deste ano. Um estudo realizado pela Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe) registrou um aumento médio de 22,5% deste produtos entre janeiro de 2000 e janeiro de 2001. Porém, os especialistas dos setor avaliam que este aumento pode oscilar conforme o perfil do segurado e o modelo do veículo.Esse porcentual de aumento representa mais de quatro vezes a inflação média do mesmo período que ficou em 4,5%, segundo o coordenador da Fipe, Heron do Carmo. Ainda conforme a Fipe, o preço dos veículos usados tiveram um reajuste médio de 17,5% e os veículos novos de 5,8%, no mesmo período. O conselheiro da Federação Nacional das Empresas de Seguros Privados (Fenaseg), Lúcio Antônio Marques, ressalta que este aumento no preços dos seguros reflete o aumento do roubo e furtos de veículos em 2000, e reajuste médio do preço dos veículos. "Estes elementos foram os que mais pesaram para o encarecimento do produto no início de 2001", explica.Lúcio Marques indica que os fatores que mais influenciam o cálculo do prêmio dos seguros são os índices de sinistros. Pela ordem de importância, ele classifica o índice de roubos e furto em primeiro lugar. Depois, as seguradoras consideram os números totais de colisões parciais e totais. Aumento varia conforme a marca do veículoO conselheiro da Fenaseg destaca que de janeiro a dezembro do ano passado foram registrados 381.501 ocorrências de furtos e roubos de veículos no País. Só no Estado de São Paulo, foram registrados 251.131 casos de roubo ou furto de veículos. Desse total as seguradoras conseguiram recuperar 45% dos veículos. "O número de roubo e furtos em São Paulo é assustador. Por esse motivo, os preços dos seguros têm sofridos elevações", explica. Lúcio Marques ressalta que os veículos mais visados pelos bandidos são o Gol, o Fiat Uno e o Palio. "Os carros importados, principalmente as picapes, também fazem parte da preferência dos ladrões", avisa.O diretor de marketing e planejamento da Vera Cruz Seguradora, Hyung Mo Sung, também aponta o aumento de registros de roubo e furto como principal responsável pelo aumento no preço do seguro em são Paulo. "O mercado sofre um impacto imediato quando crescem o número de indenizações por causa de roubos e furtos", afirma. O aumento do preço do seguro varia conforme o modelo do veículo e o perfil do consumidor. "Há motoristas que não sofreram aumento nos seguros, pois seu carro não figura na lista dos mais visados pelos bandidos", explica. O presidente do Sindicato das Empresas de Seguros Privados e Capitalização de São Paulo, Casemiro Blanco Gomez, afirma que o aumento é sentido de forma diferente por cada consumidor. Ele aponta que o aumento varia de acordo com o tipo de veículo, marca, região em que mora o motorista e do tipo de coberturas escolhido pelo consumidor.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.