Renda extra

Fabrizio Gueratto: 8 maneiras de ganhar até R$ 4 mil por mês

Seguro-fiança é garantia mais confiável para empresários

Ainda pouco utilizado nos contratos de locação de imóveis, o seguro-fiança é tido por empresários do setor como o tipo de garantia mais confiável. Nos últimos três anos, o seguro tem ganhado mais visibilidade e agora começa a aumentar sua participação como garantia na hora de alugar uma residência. De acordo com levantamento do Sindicato da Habitação do Estado (Secovi-SP), o fiador ainda é o tipo de garantia mais usado, estando presente em 65% dos contratos, sendo seguido pelo depósito de até três vezes o valor do aluguel (31%) e pelo seguro-fiança (7%). Para os empresários do setor, este último é o melhor tipo de garantia, pois assegura o pagamento ao proprietário do imóvel mesmo se o inquilino ficar inadimplente. O seguro cobre o valor do aluguel e pode incluir despesas com condomínio, água, energia elétrica, multas contratuais e ainda danos ao imóvel. O preço da apólice depende dessa cobertura. De acordo com o gerente de Novos Produtos da Porto Seguro, Luiz Carlos Henrique, o custo anual é de 60% se a opção for plano básico, mas pode chegar a 120% se incluir despesas com danos ao imóvel e multas contratuais. Esse gasto, que costuma ficar por conta do locatário, deve ser pago no fechamento do negócio, podendo ser parcelado em quatro vezes. No entanto, a seguradora, em parceria com as imobiliárias, parcela o valor do seguro em até 12 vezes. Dessa forma, o inquilino paga faz o pagamento como se fosse um acréscimo do aluguel. O custo adicional para o locatário e a falta de conhecimento sobre o produto são as justificativas dos empresários para o uso ainda restrito do seguro-fiança. Para o futuro inquilino, a vantagem é não ter de procurar alguém que queira servir de fiador. Os maiores benefícios ficam para o proprietário, que não deixa de receber o aluguel pelo tempo que durar a cobertura do seguro, e para a imobiliária, que fica desobrigada de fazer a análise de cadastro do locatário e possíveis cobranças de inadimplentes.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.