Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Seguros de pessoas crescem 24% no 1º semestre e somam R$ 9,3 bi em prêmios

Com os brasileiros viajando mais, contratação de seguro viagem avançou 42% 

Agência Estado,

30 de setembro de 2011 | 11h39

SÃO PAULO - O mercado de seguros voltados para pessoas, que engloba seguros prestamistas (protege contra inadimplência), educacionais, vida individual e em grupo, entre outros, acumulou R$ 9,3 bilhões em prêmios no primeiro semestre de 2011. O resultado é 24,1% superior ao registrado no mesmo período do ano anterior, segundo dados divulgados nesta sexta-feira, 30, pela Fenaprevi (Federação Nacional de Previdência Privada e Vida).

O seguro viagem foi o destaque no semestre, com crescimento de 42,29% e prêmios de R$ 19,3 milhões. A alta na contratação das apólices de viagem deve-se ao incremento no número de viagens nacionais e internacionais, destaca o comunicado da Fenaprevi. Segundo o Ministério do Turismo, no primeiro semestre de 2011 foram registrados 42,4 milhões de desembarques domésticos e internacionais, expansão de 20% na comparação com o mesmo período do ano anterior.

Além do seguro viagem, outros destaques de crescimento no período foram os seguros de acidentes pessoais e proteção financeira (prestamista). Os primeiros tiveram alta de 39,3% no período e acumularam R$ 1,9 bilhão em faturamento. Já o seguro proteção financeira, que garante o pagamento de prestações de bens adquiridos pelo segurado em caso de morte e invalidez, acumulou R$ 2,1 bilhões em prêmios com evolução de 37,9%.

O seguro de vida teve desempenho mais modesto, com prêmios de R$ 4,8 bilhões, alta de 11,66%. Os números consolidados têm como base as informações coletadas pela Susep (Superintendência de Seguros Privados).

O ranking consolidado das maiores seguradoras mostra o Grupo Brasil Mapfre no primeiro lugar com 17,5% dos prêmios, seguido por Bradesco (16,3%) e Itaú (13,9%).

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.